Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Últimas

EUA

Trump pede ao Banco Mundial que não empreste dinheiro à China

Por: AFP

Publicado em: 07/12/2019 14:50

O discurso ocorre em meio a negociações entre Washington e Pequim para tentar encerrar uma guerra comercial de 18 meses entre as duas potências. (Foto: MANDEL NGAN / AFP)
O discurso ocorre em meio a negociações entre Washington e Pequim para tentar encerrar uma guerra comercial de 18 meses entre as duas potências. (Foto: MANDEL NGAN / AFP)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, censurou na sexta-feira (6) o Banco Mundial por seus empréstimos à China. "Por que o Banco Mundial empresta dinheiro à China? Isso é possível? A China tem muito dinheiro e, se não o tem, deve criar. PAREM!", escreveu Trump no Twitter. "Os empréstimos do Banco Mundial à China foram drasticamente reduzidos e continuarão a ser reduzidos conforme acordado com todos os nossos acionistas, incluindo os Estados Unidos", reagiu a instituição financeira em comunicado.

"Estamos eliminando os empréstimos à medida que os países ficam mais ricos", acrescentou. Trump reiterou, assim, uma posição que ele defende há muito tempo em seu governo e que é compartilhada por David Malpass, atual presidente do Banco Mundial (BM), ex-funcionário do Tesouro americano e apoiador de Trump.

O tuíte do republicano também é uma extensão da mensagem de seu secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, que disse na quinta-feira em uma comissão da Câmara de Representantes que o governo dos Estados Unidos havia expressado sua "objeção" ao programa plurianial de empréstimos e projetos do BM na China. O programa foi aprovado na quinta-feira. Prevê uma redução do montante de empréstimos à China e também se dispõe a ser mais seletivo durante o período 2020-2025.

"Isso reflete a evolução do nosso relacionamento com a China", afirmou Martin Raiser, diretor do Banco na China, em comunicado divulgado na quinta-feira. "Nosso compromisso será cada vez mais seletivo".Mas essa redução não é suficiente para Washington, cujo argumento é simples: a segunda economia mundial é rica o suficiente para se financiar e não depende de empréstimos do Banco Mundial, que deveriam fornecer recursos financeiros aos países mais pobres. O discurso ocorre em meio a negociações entre Washington e Pequim para tentar encerrar uma guerra comercial de 18 meses entre as duas potências.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: Janeiro de Grandes Espetáculos
O compasso musical da história recente do Brasil
In Set - entrevista com Carla Bensoussan da Lead
Educação e segurança digital para jovens
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco