Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas

DISCURSO

Em discurso, Lula se refere a Bolsonaro como miliciano e se diz pronto para lutar: 'Estou de volta'

Publicado em: 09/11/2019 15:47 | Atualizado em: 09/11/2019 18:19

 (Foto: Carl Souza/AFP)
Foto: Carl Souza/AFP
Ao retornar neste sábado (9) ao reduto de origem do PT, a região do ABC Paulista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, 74, fez um duro discurso contra a Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro, atacou a política econômica do governo federal e se referiu ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) como miliciano.
 
"Eu estou de volta", disse, sob aplausos de militantes. "Estou com mais coragem de lutar do que quando eu saí daqui." Na reta final da fala de 45 minutos, pediu resistência, luta e união da esquerda e avisou: "Se a gente tiver juízo e conseguir trabalhar, a chamada esquerda, que o Bolsonaro tem tanto medo, vai derrotar a ultradireita que nós tanto queremos derrotar". 
 
Em fala forte, que durou mais de 1 hora, Lula mostrou que, além do campo político, também será opositor de Bolsonaro no terreno econômico. Criticou a agenda de reformas e lembrou que o liberalismo no Chile, citando ser um modelo elogiado pelo ministro Paulo Guedes (Economia), elevou a pobreza no país vizinho. Também chamou Guedes de "demolidor de sonhos".
 
Mídia 
O petista repetiu seus ataques à Rede Globo. Quando citou a TV, apontou o helicóptero da emissora que sobrevoava o local. "Vocês não têm dimensão do que significa o dia de hoje para mim. Lá em cima está o helicóptero da Rede Globo de televisão para falar merda outra vez sobre Lula e sobre nós."

"A TV do Silvio Santos (SBT) está uma vergonha, a Record está uma vergonha, a Globo está uma vergonha", disse o ex-presidente, ainda sobre a mídia.

Situação
Lula passou 580 dias preso devido à condenação sob a acusação de aceitar a propriedade de um tríplex, em Guarujá, como propina paga pela OAS em troca de três contratos com a Petrobras, o que ele sempre negou.

Essa condenação, após denúncia da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba, teve a assinatura do então juiz Sergio Moro na primeira instância, a confirmação do Tribunal Regional Federal em segunda instância e a ratificação do STJ (Superior Tribunal de Justiça), que fixou pena de oito anos, dez meses e 20 dias.
Como ainda cabem recursos, o caso ainda não transitou em julgado, e Lula foi solto. 

O petista também foi condenado, até aqui apenas em primeira instância, no caso do sítio de Atibaia. Segundo a decisão judicial, também após denúncia da Lava Jato, ele recebeu vantagens indevidas das empreiteiras Odebrecht e OAS em troca de favorecimento às empresas em contratos da Petrobras. 

As reformas e benfeitorias realizadas pelas construtoras no sítio frequentado por Lula configuraram prática dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Pelas regras atuais, Lula é considerado ficha-suja, devido a ao menos uma condenação em segunda instância -regra de corte da Lei da Ficha Limpa.

Nas próximas semanas, a Segunda Turma do STF deverá julgar um habeas corpus no qual a defesa de Lula sustenta que Moro, hoje ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL), atuou sem a imparcialidade necessária no processo do tríplex de Guarujá (SP).

Com base nisso, Lula quer que o colegiado anule o processo inteiro. Esse é o julgamento de maior interesse da defesa hoje, já que sem essa condenação Lula pode se tornar elegível, ao menor por ora.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
China: PIB cresce 3,2% no segundo trimestre
Argentina dá à luz quádruplos em plena pandemia e marido é impedido de encontrá-la
16/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Notícias de 15/07: Protocolo para volta às aulas, Sarí vira ré e anticorpos conseguem bloquear Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco