Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

Música

Mahmundi mergulha na música ôrganica em álbum sereno para quarentena

Publicado em: 07/06/2020 13:02 | Atualizado em: 07/06/2020 13:08

 (Foto: Rui Mendes/Divulgação)
Foto: Rui Mendes/Divulgação


"Eu fiz aniversário em julho de 2018 e várias coisas estavam acontecendo na minha vida. A terapia estava rolando, eu vinha me conhecendo melhor. É tudo muito sobre esse processo. Uma pessoa estava nascendo ali”, explica Mahmundi, nome artístico da carioca Marcela Vale, em entrevista por telefone sobre Mundo novo (Universal Music), seu terceiro álbum de estúdio, lançado no final de maio. “E agora com todas essas loucuras, com coisas estagnadas, dá para se ter ainda uma melhor dimensão de quem sou. Eu quero falar sobre isso”, complementa a cantora, compositora e produtora musical de 33 anos.

O processo de autoconhecimento deu origem ao primeiro projeto musicalmente orgânico da artista. A carioca ficou conhecida pelos álbuns Mahmundi (2016), que venceu o Prêmio Revelação da APCA (Associação Brasileira dos Críticos de Arte), e Para dias ruins (2018), indicado ao Grammy Latino na categoria Melhor Álbum de Pop Contemporâneo em Língua Portuguesa. Ambos chamaram a atenção da crítica pelo uso sagaz dos sintetizadores, ferramentas que possibilitaram a criação de uma sonoridade elegante e retrô, passeando entre o pop e a MPB mais tradicional. “Foram álbuns em que realizei pesquisas com o computador e o som digital de uma forma muito específica. Agora, não tem nada eletrônico ou sampleado.”

Mahmundi teve o start para o projeto e convidou Frederico Heliodoro, nome de destaque na música instrumental contemporânea, para a coprodução. Desde o álbum de 2016 até 2020, ela também aguçou sua percepção musical ao atuar como produtora para nomes como Liniker e os Caramelows, Plutão Já Foi Planeta e Diogo Nogueira. “Nesse álbum, cada músico está tocando um instrumento. Foi a minha primeira experiência em lidar com uma banda. Gravamos no final de janeiro e no começo de fevereiro. Fizemos a finalização nas pressas, em dois dias muito corridos. Graças a Deus já estava tudo super adiantado, então conseguimos lançar o pro- jeto mesmo no meio da pandemia. Acho importante continuar lançando coisas.”

 (Foto: Rui Mendes/Divulgação)
Foto: Rui Mendes/Divulgação


O resultado é um álbum de sete faixas sete faixas e 21 minutos de duração. É um consumo rápido, mas não raso. As composições, combinadas com belas instrumentações, causam uma calmaria necessária em tempos de ansiedade, como um acalanto musical. Coincidentemente, o álbum chega aos ouvintes quando se discute a chegada de um “mundo novo”. “Acredito que existe uma nova narrativa de mundo. Nãoapenas sanitária, mas também social e política. As nossas avós viram coisas acontecerem. E pela primeira vez estamos passando por um cenário muito complexo no mundo. A gente está vendo isso com os nossos próprios olhos, o que é diferente de vivenciar algo com 8 anos de idade. É muito novo para mim, então acaba juntando esses links todos. Não é um álbum sobre pandemia, mas está tudo acontecendo nesse mesmo tempo.” 

Junto com o álbum, foi divulgado o clipe do single Nova TV, gravado no período de quarentena com uma única câmera, além de um drone, com direção de Bruno Mazzilli. O vídeo revela um dia na rotina da cantora, dentro de casa, misturando animações e filtros em meio às conhecidas paisagens do Rio de Janeiro. "E eu continuo em casa me cuidando, saio para ir no mercado”, diz, sobre o cotidiano na capital fluminense. “Em meio a isso tento produzir coisas, acho que esse processo artístico é muito da gente. Continuamos trabalhando, tentando entender esse mundo com pandemia e pós-pandemia.”


A cantora diz que ficou feliz com a aprovação da Lei Aldir Blanc, que destina ajuda de R$ 3 bilhões ao setor cultural. "Ainda assim, é difícil comemorar pequenas vitórias. Estamos em um nível de ter que comemorar algo que era só para falar 'legal'. É uma pena que tudo precise ser uma grande batalha. A lei dá boas notícias para que os nossos produtos artísticos continuem artísticos. É difícil explicar isso hoje em dia, mas fazemos músicas para os outros. E torcemos para que isso se mantenha", finaliza.

Ouça o álbum Mundo Novo:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 04/12
Entrevista com o governador Paulo Câmara
Um milhão de doses da CoronaVac chegam em São Paulo
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/12
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco