Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver

música

Cantora Mônica Feijó estreia show do disco Frevo Para Ouvir Deitado no Teatro Apolo

Trabalho traz releituras intimistas de clássicas composições de ícones do gênero

Publicado em: 15/01/2019 19:28

Apresentação faz parte da 25ª edição do Janeiro de Grandes Espetáculos. Foto: Daniela Nader/Divulgação


Os 25 anos de carreira da cantora e compositora pernambucana Mônica Feijó só provam o quanto ela é versátil e faz jus ao status de “camaleoa”. Em sua carreira musical, a artista visitou o manguebeat no primeiro disco, Aurora 5365 (2000), mergulhou no samba de contemporâneos pernambucanos no álbum Sambasala (2005) e misturou diversos ritmos no CD À vista (2011). No ano passado, Mônica foi além e decidiu explorar de uma forma diferente o frevo, ritmo genuíno de sua terra. O disco Frevo para ouvir deitado contou com incentivo do Funcultura e se tornou recordista de vendas em 2018 na loja Passa Disco, no bairro do Espinheiro. Nesta quarta-feira (16), às 20h, Mônica Feijó leva o show do novo trabalho para o palco do Teatro Apolo, no Bairro do Recife, como parte da programação da 25ª edição do Janeiro de Grandes Espetáculos. Os ingressos custam R$ 40 e R$ 20 (meia), à venda no site Ingresso Rápido.

O projeto nasceu despretensioso. Foi durante o intervalo de um ensaio que a cantora e o baixista e produtor musical Junior Areia começaram a tocar clássicos do frevo de uma maneira lenta, ressaltando o amor, a tristeza e a saudade das composições. Esse momento foi o suficiente para a dupla questionar os motivos do frevo não ser tocado o ano inteiro. “Eu acho que todo pernambucano, não só os músicos, tem uma relação muito forte com o frevo, porque são músicas que estão na nossa memória. É um patrimônio da humanidade e a cara do nosso estado e do nosso carnaval. Eu já cantei frevo ao lado de grandes maestros, como Formiga e Claudionor Germano, e com esse disco nós estamos pedindo permissão para mostrar o nosso olhar do frevo, o nosso encantamento”, afirma a cantora.

Os sete anos de hiato que separam o disco À vista do Frevo para ouvir deitado são justificados pela vontade de Mônica em registrar este trabalho, que já existe há dois anos, em CD. Ela revela que o projeto só foi aprovado pelo Funcultura no terceiro ano de apresentação, por isso a demora. “Eu queria ter esse registro a todo custo. Nós lançamos o show há dois anos no Recife e fizemos uma pequena turnê. Agora, será o lançamento oficial do disco, porque eu já tenho um produto em mãos”, explica. O trabalho destaca versões intimistas de clássicas composições de Nélson Ferreira e Aldemar Paiva (Frevo da saudade), Capiba (De chapéu de sol aberto e À procura de alguém), Getúlio Cavalcanti (Último regresso), Carlos Fernando e Geraldo Azevedo (Aquela rosa), entre outros.


Formada em Artes Cênicas, Mônica enxerga cada momento musical seu como se fosse um novo personagem e diz fugir de rótulos. “Meus trabalhos são distintos, porque canto como me sinto no momento, e sigo cantando a simplicidade e o cotidiano com minha personalidade. Eu digo que trabalho com world music, faço música do mundo, porque já visitei o eletrônico, o samba, o pop, o frevo, e não acho que essas mudanças possam me prejudicar, é a minha marca, a minha verdade”, diz Feijó.

Serviço
Show do disco Frevo para ouvir deitado - Mônica Feijó
Quando: quarta-feira (16), às 20h
Onde: Teatro Apolo (Rua do Apolo, 121, Bairro do Recife)
Quanto: R$ 40 e R$ 20 (meia)
Informações: (81) 3355-3320
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
In Set - entrevista com Carla Bensoussan da Lead
Educação e segurança digital para jovens
João Alberto entrevista Og Fernandes, ministro do STJ
Um mar de lixo no canal do Arruda
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco