Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver

Música

Joelma canta até música gospel em show na maior boate LGBT do Recife

Primeira apresentação da paraense no Club Metrópole teve ingressos esgotados

Publicado em: 10/03/2018 14:02 | Atualizado em: 10/03/2018 17:25

Durante o show, Joelma trocou de roupa três vezes. Foto: Emannuel Bento/Esp.DP
Cantoras excêntricas sempre chamaram a atenção do público LGBT. Foi assim com Cher, Madonna, Lady Gaga e qualquer outra artista que tenha dado mais do que apenas a voz nos palcos. Não seria diferente com Joelma, que aposta em um tipo de performance bastante singular, quase como uma marca registrada - proeza que não é para qualquer um. Durante o tempo que cantou ao lado de Ximbinha, na Banda Calypso, a paraense arrastou multidões por todo o país, cativando um público gay que a segue até hoje. Não é atoa que, nesta sexta-feira (9), a vocalista tenha se apresentado com ingressos esgotados no Club Metrópole (Rua das Ninfas, Boa Vista), a maior boate LGBT do Recife.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

O espaço mais compacto do estabelecimento não impediu a realização de um show grandioso, com uma hora e meia de duração. Acompanhada por sua banda e uma dupla de dançarinos, a artista cantou sucessos da Banda Calypso e seus recentes trabalhos da carreira solo. A canção escolhida para a abertura foi o sucesso Pra te esquecer, do clássico DVD Calypso da Amazônia (2003). A primeira parte do show ainda contou com músicas como Passe de mágica (2005) e Ai coração (2016). No "segundo ato", Joelma incorporou sua faceta de "musa romântica" com um vestido vermelho e um penteado no estilo rabo de cavalo, quando Imagino (2003), Não teve amor (2016) e Cumbia do amor (2001) invadiram o setlist. Na última fase da apresentação, ela apareceu com um figurino preto transparente e dançou no ritmo de um repertório eletrizante, encerrando o show com Voando pro pará (2016) - um de seus principais sucessos em carreira solo. Todas as músicas foram conduzidas pelo coro de um público repleto de admiradores.

Siga o Viver no Instagram

O momento mais intrigante foi quando ela cantou Ressuscita-me, hino gospel de Aline Barros. "Quem está precisando de um milagre aí?", questionou a cantora, que é evangélica. Sua relação com a religião já foi motivo de polêmica em 2013, em uma entrevista para o colunista Bruno Astuto, na revista Época: "Tenho muitos fãs gays, mas a Bíblia diz que o casamento gay não é correto e sou contra. [...] Já vi muitos se regenerarem. Conheço muitas mães que sofrem por terem filhos gays. É como um drogado tentando se recuperar". O tempo passou e parece que as águas são outras para Joelma. Ela abraçou a bandeira de arco-íris e se adaptou mais aos tempos de diversidade sexual. Hoje ela tem a concessão para cantar música evangélica em um ambiente LGBT, criando laços entre dois grupos que ainda vivem em constante discordância nos embates sociais.

Assista a um momento do show:




Acompanhe o Viver no Facebook:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Grupo Diario de Pernambuco