Televisão Com Cauã Reymond e Taís Araújo na apresentação, Globo de Ouro Viva homenageia samba Primeiro episódio vai ao ar nesta segunda-feira, às 21h

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/07/2016 19:00 Atualizado em:

Cauã Reymond e Taís Araújo substitutem Márcio Garcia e Carolina Dieckmann. Foto: Viva/Divulgação
Cauã Reymond e Taís Araújo substitutem Márcio Garcia e Carolina Dieckmann. Foto: Viva/Divulgação
O centenário do samba ainda influencia a programação da televisão. Dedicada ao gênero musical essencialmente brasileiro, a terceira edição do Globo de Ouro Viva estreia nesta segunda-feira, às 21h, no canal Viva. Cauã Reymond e Taís Araújo substituem Márcio Garcia e Carolina Dieckmann, apresentadores de edições anteriores. Os seis episódios inéditos recebem mais de 50 artistas de diferentes gerações do ritmo.

Entre os convidados, Alcione, Arlindo Cruz, Beth Carvalho, Diogo Nogueira, Elza Soares, Fundo de Quintal, Teresa Cristina, Zeca Pagodinho, Zélia Duncan e Jorge Aragão. O passeio pelo gênero inclui Pelo telefone, primeiro samba registrado no país, composto por Donga, além de sucessos da atualidade e sambas-enredo marcantes.

O primeiro episódio fará reverência a Zé Ketti, um dos compositores mais importantes do gênero. O compositor e intérprete Luiz Melodia lembra o clássico A voz do morro, gravada pelo artista. Em seguida, é a vez de Mart’nália entoar Sem compromisso, música que integra o repertório da artista, incluindo dueto com Chico Buarque.

Outro clássico é Aquarela brasileira, de Silas de Oliveira, que ganha dueto de Arlindo Cruz e Fernanda Abreu. O cantor Diogo Nogueira, cuja conexão com o ritmo vem de berço, faz uma homenagem ao pai, João Nogueira. Ele interpreta uma versão de Mineira. O episódio também traz Roberta Sá cantando Quem te viu, quem te vê, de Chico Buarque, e Beth Carvalho, Vou festejar e Coisinha do pai.

O programa até o dia 15 de julho e será dividido por temas, como versatilidade do gênero e bambas além das gerações. O Globo de Ouro Viva, uma versão atual do programa exibido entre os anos 1970 e 1990, revisitou clássicos do axé e da música popular brasileira.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.