Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

CASO HELOYSA

Polícia Civil realiza simulação em Porto de Galinhas para descobrir quem matou Heloysa durante operação do BOPE

Publicado em: 12/05/2022 12:46 | Atualizado em: 12/05/2022 14:51

Na época, moradores realizaram protestos em Porto de Galinhas após a morte da garota (Rafael Vieira/DP Foto)
Na época, moradores realizaram protestos em Porto de Galinhas após a morte da garota (Rafael Vieira/DP Foto)

O total de 121 profissionais, entre bombeiros, policiais civis e peritos do Instituto de Criminalística (IC), estiveram desde o início desta quinta-feira (12) na comunidade Salinas, em Porto de Galinhas. A missão do grupo é descobrir, através de uma simulação do caso, de onde partiu o tiro que matou Heloysa, de seis anos, durante uma operação do BOPE no dia 30 de março deste ano. A mãe e o pai da menina acompanharam o trabalho. A Polícia Civil não divulgou uma data para divulgação do resultado.

 

Para que a simulação não sofresse interferências, a Guarda Municipal ficou responsável por fechar algumas das ruas do destino paradisíaco.

 

Desde o dia do episódio, existem duas versões para o caso. De acordo com os moradores da região e familiares da vítima, a Polícia Militar, através do Batalhão de Operações Especiais, o BOPE, entrou na comunidade de forma violenta para prender um homem suspeito de envolvimento com tráfico de drogas, e só ela atirou, chegando a acertar a garota que brincava no momento.

 

Já pelo lado da Polícia Militar, houve reação por parte do suspeito, que gerou uma troca de tiros e a menina foi acertada por uma "bala perdida". 

 

Essa simulação acontece um dia após a entrega de um dossiê às autoridades. O documento foi assinado por 13 organizações e movimentos sociais durante uma audiência pública realizada na Câmara dos Vereadores do Ipojuca. Nele, alegam que a comunidade e a família da garota estão sendo mantidas sob forte vigilância polícia desde o caso, sofrendo, inclusive, intimidações e perseguições.

 

Em resposta ao dossiê, o governo emitiu uma nota  assegurando que "recebeu as denúncias e enviou uma equipe do Grupamento Tático de Ações Correcionais (GTAC) para colher depoimentos dos moradores de Porto de Galinhas".

 

 

 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Manhã na Clube: entrevista com Raquel Lyra (PSDB)
Casamento de Lula e Janja: celulares barrados na entrada
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Grupo Diario de Pernambuco