Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

ARBOVIROSES

No Cabo, agentes de saúde iniciam mutirão de ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti

Publicado em: 25/05/2021 17:40 | Atualizado em: 25/05/2021 20:16

 (Foto: Mariangela Vianna / PMCSA)
Foto: Mariangela Vianna / PMCSA
Os agentes de Vigilância em Saúde do Cabo de Santo Agostinho iniciaram, na Charnequinha, um mutirão de inspeção, tratamento e educação da população  para evitar a proliferação do mosquito Aedes aegypti, vetor de doenças como dengue, zika e chikungunya. 

A ação terá continuidade nesta quarta (26) no bairro de São Francisco. Na quinta (27) e na sexta (28) os agentes visitam as casas dos moradores de Pista Preta e Sapucaia. O mutirão de conscientização continua na semana que vem. Na segunda (31) estará em Pirapama e depois segue para outras localidades.

Com relação à situação epidemiológica das arboviroses observa-se que no ano de 2020 foram notificados 836 casos de chikungunya e 2.201 casos de Dengue. Para o ano de 2021, até o dia 12 de maio, o município registrou 419 casos de chikungunya e 692 casos de dengue. Comportamento endêmico esperado. Nesse contexto, destaca-se o bairro da Charnequinha, com um aumento expressivo de casos notificados de chikungunya, de 55 em 2020 para 179 casos nos cinco primeiros meses de 2021, e de Dengue, 101 contra 266 na mesma comparação de períodos.

O município também vem apresentando índices preocupantes de presença do Aedes Aegypti nas residências. Segundo o Levantamento de Índice Rápido para o Aedes Aegypti (LIRAa), os imóveis do Cabo de Santo Agostinho vêm apresentando um percentual crescente de presença do mosquito, chegando a 4,1% das casas pesquisadas com a presença de larvas do inseto vetor. Em relação aos reservatórios dentro das residências, esse índice sobe para 5,2% registrados no último levantamento amostral. Esses percentuais apontam para um risco de epidemia. O nível satisfatório e tolerável para  esse parâmetro é de 1%.

Fabianna Marjorie é  coordenadora técnica de Controle Vetorial das Arboviroses da UVZ, órgão ligado à Gerência de Vigilância em Saúde da Secretaria de Saúde. Ela explica qual o objetivo da pasta neste trabalho de porta em porta. "Estamos fazendo a inspeção dos imóveis procedendo ao tratamento mecânico de remoção dos focos ou químico, caso seja necessário, em reservatórios com água acumulada nas casas. O ideal seria que a cada dois meses os nossos agentes retornassem aos imóveis, por isso orientamos durante as visitas sobre os pontos críticos das casas. A inspeção realizada pelo proprietário deve ser semanal, pelo menos. As pessoas têm que olhar calhas obstruídas com folhas ou sujidades, dar o tratamento adequado de piscinas e  ralos e manter reservatórios de armazenamento de água bem vedados."

A coordenadora salienta que o inverno é propício para a proliferação do mosquito causador da dengue, já que as chuvas aumentam o empoçamento de água, onde o inseto deposita seus ovos. "Queremos diminuir esses índices e sensibilizar a população. Medidas simples como fazer a inspeção semanal de caixas d'água, pote do motor da geladeira e vasos é importante. Não se pode deixar água parada mal vedada no interior do imóvel pois o mosquito vetor é criado no interior das residências. Eles são muito exigentes quanto a água limpa e ambientes com pouca luminosidade", diz.

No caso das caixas d'água e cisternas é importante que o morador fique atento a rachaduras, pois qualquer espaço é suficiente para o mosquito passar e depositar seus ovos.  Fabianna diz também que o município fornece para a população capa de proteção de caixas d'água. O período de inspeção de uma semana é importante para quebrar o ciclo de vida do Aedes aegypti, que leva de oito a 12 dias para se proliferar, do ovo depositado, sua eclosão em larvas e seu desenvolvimento à fase adulta.

A equipe de Vigilância Ambiental do município também recebe denúncias de moradores que verificam situações que podem favorecer a proliferação do mosquito. Os telefones são (81) 3542.9030 e o (81) 9159.1148.

Como evitar a proliferação do Aedes Aegypti

-Redobre a atenção para os locais ideais para o amadurecimento dos ovos e larvas que acumulam água como: ralos, depósitos de água, calhas, pneus, garrafas, algumas plantas e os pratinhos de seus jarros, copos descartáveis, garrafas pet, cascas de ovos, baldes e até mesmo entulhos em quintais. 

-Elimine a água acumulada das lajes e calhas

-Mantenha sempre limpa as piscinas
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco