Abastecimento Saloá e Águas Belas, no Agreste, voltam a receber água da Compesa

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 23/08/2019 14:14 Atualizado em:

Barragem de Saloá, no Agreste de Pernambuco - Foto: Divulgação/Compesa
Barragem de Saloá, no Agreste de Pernambuco - Foto: Divulgação/Compesa
A Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) retomou, nesta sexta-feira (23), o abastecimento regular de água nas cidades de Saloá e Águas Belas, no Agreste Meridional. A volta da distribuição acontece em virtude das chuvas que ajudaram a recuperar o volume das barragens da Prata, localizada em Saloá, e de Lamarão, em Águas Belas. As duas entraram em colapso no último verão e forçaram a empresa a usar caminhões-pipa para abastecer os dois municípios.

A barragem de Saloá tem aproximadamente 250 mil metros cúbicos e recuperou seu volume hídrico em 50%, o que corresponde a 125 mil metros cúbicos. Isso permite que o abastecimento nesta cidade seja diário. Já Águas Belas adotará o regime de 8 dias com água e 8 sem, visto que a barragem de Lamarão alcançou sua capacidade total de 150 mil metros cúbicos.

“As chuvas foram providenciais nesse momento e a Compesa agiu rapidamente para retomar os sistemas de abastecimento das duas cidades. Os volumes acumulados garantem água nas torneiras para os moradores de Águas Belas até novembro e de Saloá até dezembro de 2019. O calendário de Águas Belas está sendo elaborado e, em breve, também será divulgado”, informa o gerente da unidade de negócios da Compesa, Igor Galindo.

Igor lembra que a instituição continua trabalhando em duas obras estruturadoras que beneficiarão a cidade de Águas Belas diretamente: a implantação do sistema adutor dos poços de Tupanatinga; e o trecho da adutora do Agreste que fica entre os municípios de Pedra e Iati - onde estão sendo assentados 38,4 quilômetros de tubulações e recebe o investimento de R$ 42 milhões, recursos do governo federal. 

No sistema de Tupanatinga, o serviço consiste na perfuração de 20 poços tubulares no aquífero Tacaratu (bacia do Jatobá), localizado nos municípios de Ibimirim e Tupanatinga, que terão a capacidade de produzir 200 litros de água, por segundo. A obra está orçada em R$ 54 milhões (recursos do Ministério do Desenvolvimento Regional) e deve ser concluída até abril de 2020.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.