Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Publicidade Legal
Profissão salvadora Comissão aprova projeto que regulamenta profissão de salva-vidas e exige um curso especializado

Publicado em: 07/09/2019 03:00 Atualizado em: 15/09/2019 06:11

A Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR) aprovou, nesta quarta-feira (4), o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 42/2013, que regulamenta a profissão de salva-vidas, de autoria do deputado Nelson Pellegrino (PT-BA). A matéria ainda será analisada pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) e pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

A matéria teve o apoio do relator, senador Styvenson Valentim (Podemos-RN), que apresentou um substitutivo. Com base em dados da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa), o senador registra que o afogamento é a segunda maior causa de morte acidental no Brasil. Styvenson aponta que os salva-vidas, que colocam suas vidas a serviço de outras, e, com a regulamentação da profissão, podem ter sua atividade valorizada e sujeita a aperfeiçoamentos.

A proposta original previa prazo de um ano para que o salva-vidas realizasse curso profissionalizante para continuar no exercício da profissão. Essa previsão foi retirada, pois, segundo Styvenson, a exigência poderia excluir muitos profissionais “de um mercado que já sofre com efetivo reduzido”.

Styvenson acatou parte de emenda apresentada pelo senador Paulo Paim (PT-RS), durante a análise da matéria na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), que assegura o exercício regular da profissão a quem já trabalha na área na data de entrada em vigor da futura lei. Ele rejeitou, porém, a parte da emenda de Paim que previa piso salarial de R$ 2.364,00, por entender que essa definição será mais adequada em convenção ou acordo coletivo. A fixação do valor em lei, segundo o relator, tornaria rígidos quaisquer ajustes posteriores.

Curso profissionalizante
Outra emenda de Paim foi integralmente acatada, para suprimir artigo que tratava do conteúdo de curso profissionalizante da área. O relator concorda que esse detalhamento fere a autonomia pedagógica das entidades e instituições de ensino, sendo suficientes as especificações da proposição, como a de que o profissional deve ter mais de 18 anos de idade, gozar de plena saúde física e mental e ter ensino médio completo. O texto ainda traz exigências específicas para a prática de natação do salva-vidas e prevê curso profissionalizante específico com carga mínima de 160 horas-aulas para os novos profissionais.

O relator rejeitou outra emenda que suprimia do projeto a determinação da presença de dois salva-vidas para cada 300 m2 de superfície aquática durante os horários de uso de piscinas públicas e coletivas. Mas acatou parte de emenda proposta pelo ex-senador Valdir Raupp, que aprimora essa ideia, prevendo um guarda-vidas durante todo o período de funcionamento em piscinas com até 350m2 de superfície. A partir dessa medida, a exigência é de pelo menos dois salva-vidas. No caso de piscina em movimento de correnteza ou ondas, será necessário um profissional a cada 200m2 de área de piscina.

Outra emenda acatada por Styvenson desobriga áreas com piscinas não exploradas comercialmente de seguirem as regras sobre a presença de salva-vidas. A emenda foi oferecida pelo senador Jean Paul Prates (PT-RN).

Para as embarcações utilizadas como transporte coletivo de passageiros, inclusive de turismo, o texto estabelece que pelo menos um dos tripulantes deve estar habilitado como guarda-vidas.  (Agência Senado)

Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco