Diario de Pernambuco
Busca

STF

Relator, Moraes vota contra retroatividade da Lei de Improbidade

Publicado em: 04/08/2022 17:10

 (crédito: Nelson Jr./SCO/STF)
crédito: Nelson Jr./SCO/STF
O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator da ação que questiona se a nova Lei de Improbidade pode beneficiar pessoas já condenadas, se manifestou contra a retroatividade da norma. O magistrado apresentou o voto na tarde desta quinta-feira (4) e afirmou que a decisão segue o princípio da segurança jurídica.

“Em respeito ao ato jurídico perfeito e em observância aos princípios da segurança jurídica, do acesso à justiça e da proteção da confiança, garantindo-se a plena eficácia dos atos praticados validamente antes da alteração legislativa", disse no julgamento.
 
Agora, os outros 10 ministros devem decidir se acompanham o relator ou se vão votar no sentido contrário. A discussão sobre a matéria se iniciou na tarde de ontem, com a manifestação das partes do processo, de entidades interessadas no caso e do procurador-geral da República, Augusto Aras — que se disse contra a retroatividade da lei.

O julgamento é aguardado por políticos que pretendem retornar à vida pública a partir de outubro, caso a Corte reconheça a retroatividade da lei sancionada pelo Congresso. Moraes também se posicionou contra a chamada “prescrição intercorrente” — quando vence o determinado prazo para que o Judiciário aprecie o caso.

“Para mim, prescrição precisa de um elemento básico. Principalmente quando se trata de questão do poder do Estado, quando há inércia do Estado. A eventual retroatividade seria o reconhecimento de prescrição por ausência de inércia estatal. Ao meu ver, a ausência de inércia estatal leva à irretroatividade do novo sistema prescricional. Como pode o Estado em termos importantíssimos de combate à corrupção ser surpreendido principalmente com uma prescrição intercorrente”, disse na sessão desta quarta.

Moraes já vinha dando sinais de que votaria contra a retroatividade da lei. Ontem, ele ressaltou que vê a lei de improbidade administrativa como “grande conquista no combate à corrupção”. “Em que pese não ser uma lei extremamente técnica. É uma lei que deixou inúmeras brechas, permitindo inúmeras interpretações sobre o caso”, completou.

Interesse político
 
Ao Correio Braziliense, fontes projetaram um placar apertado entre os magistrados, com tendência para manter válida a reforma feita pelo Congresso. O texto sancionado pelos parlamentares estabeleceu que, para a condenação de agentes públicos, será exigida a comprovação de dolo, ou seja, da intenção de cometer qualquer irregularidade.

A apreciação atende a um pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) que, em encontro com o ministro Luiz Fux, em junho, pediu que a Corte mantenha as alterações na lei feitas pelo Congresso.

O tema é de extremo interesse, pois pode devolver a elegibilidade para políticos que já sofreram condenações pela Justiça e estão proibidos de disputar eleições e pretendem retornar à vida pública a partir de outubro. As ações questionam se as alterações inseridas pela Lei 14.230/2021 podem ser aplicadas retroativamente. O que for decidido pelos magistrados terá repercussão geral, ou seja, valerá para todos os processos em tramitação relacionados ao tema no país.

O próprio Arthur Lira pode ser beneficiado com a manutenção da reforma. Ele responde a dois processos por improbidade administrativa por sua atuação como deputado federal e estadual. Nos dois casos, a mudança é positiva para o parlamentar por conta da prescrição intercorrente.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Bolsonaro, Lula, Ciro e Tebet confirmam presença na posse de Moraes no TSE

15/08/2022 às 21h02

1,6 mil militares receberam benefícios de mais de R$ 100 mil ao ano

15/08/2022 às 20h20

Congresso tem mais de 9,3 mil candidatos ao Legislativo em outubro

15/08/2022 às 19h04

Bolsonaro abre campanha em Juiz de Fora nesta terça

15/08/2022 às 19h00

Moraes dá 5 dias para governo se manifestar sobre combate à varíola do macaco

15/08/2022 às 18h16

Senadora Simone Tebet apresenta plano de governo no último dia do prazo

15/08/2022 às 18h12

Marília Arraes inicia campanha de rua em Roda de Fogo, comunidade ligada à Arraes

15/08/2022 às 17h48

Danilo Cabral escolhe o bairro de Brasília Teimosa para realizar 1º ato oficial da campanha

15/08/2022 às 17h36

Pros retira candidatura de Pablo Marçal e confirma apoio a Lula

15/08/2022 às 17h05

Eymael oficializa candidatura à Presidência da República

15/08/2022 às 17h00

Bolsonaro e Lula devem ter primeiro encontro em posse de Moraes no TSE

15/08/2022 às 16h55

STF dá prazo para União e estados detalharem combate à monkeypox

15/08/2022 às 16h50

Humberto Costa vai coordenar a campanha de Lula em Pernambuco

15/08/2022 às 16h17

Inelegível, Witzel quer voltar ao governo do RJ pelo Partido da Mulher

15/08/2022 às 16h05

Eduardo Bolsonaro reclama da Anvisa por máscaras em voos: 'Será eterna?'

15/08/2022 às 16h00

Próximo presidente só fará reformas se desistir da reeleição, diz Tebet

15/08/2022 às 14h40

Senado: deputado do PT fica com a primeira suplência na chapa de Silveira

15/08/2022 às 14h35

Bolsonaro sobre 7 de Setembro: 'Democrático e com as cores verde e amarela'

15/08/2022 às 14h30