Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES

Ciro sobre Lula e Alckmin: 'Tartaruga com arame farpado não dá porco-espinho'

Publicado em: 12/05/2022 13:10

 (crédito: Reprodução/YouTube)
crédito: Reprodução/YouTube
O pré-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) disse nesta quinta-feira (12) que "juntar tartaruga com arame farpado não dá porco-espinho" ao comentar chapa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSB). O pedetista defendeu também ser preciso mudar o sistema econômico do país, e que Lula não fará isso se for eleito.

"Às vezes, adversários podem se reunir, mas assim, sem explicar nada, um conchavão despolitizado, para dizer que tudo vai ficar exatamente como está, que 'vamos só tirar as grosserias, as aberrações do Bolsonaro, mas deixa o sistema econômico, deixa o Banco Central, deixa a política de tributos cobrando imposto só de pobre e da classe média'", afirmou o presidenciável em entrevista ao apresentador Datena, à Rádio Bandeirantes.

"Meu irmão, pode até dar certo, mas pode acreditar: é mistura de jabuti com arame farpado. Isso dá uma aberração, não dá um porco espinho", pontuou o pré-candidato.

Ciro afirmou que o ex-presidente está "envelhecido nas ideias", e que quer repetir, na aliança com Alckmin, a mesma coisa que fez quando colocou Michel Temer (MDB) como vice de Dilma Rousseff (PT). Ele avalia ainda que a intenção do PT com a união é apenas tirar Alckmin e Guilherme Boulos (PSol) do caminho para eleger Fernando Haddad (PT) ao governo de São Paulo.

Críticas a Guilherme Boulos
 
O pedetista também criticou o apoio declarado do líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos, à chapa Lula-Alckmin. Após decisão oficial de apoio do PSol, no dia 30 de abril, Boulos passou a utilizar a imagem do petista em sua campanha à Câmara dos Deputados e chegou a discursar ao lado do ex-presidente em ato na ocupação Vila Soma, em Sumaré, São Paulo.

"O Boulos esculhambava o cara do despejo de Pinheirinho, que foi o Alckmin, e ele, que é do MTST, que invade o terreno de Pinheirinho. Agora está tudo junto, na mesma lambança, comendo no mesmo cocho, como se o problema brasileiro fosse só derrotar o Bolsonaro", afirmou Ciro. Em 22 de janeiro de 2012, o governo estadual de Geraldo Alckmin despejou cerca de 1,6 mil pessoas da comunidade de Pinheiro, em São José dos Campos, São Paulo.

Pesquisas
 
O presidenciável também voltou a comentar a pesquisa Genial/Quaest divulgada ontem, que apontou vitória de Lula no primeiro turno com 51% dos votos caso Ciro desistisse de sua candidatura. O pedetista criticou as pesquisas eleitorais divulgadas, apontado que elas são todas financiadas por bancos, e disse que seu partido tem dificuldades de realizar uma pesquisa própria porque os bancos "contrataram por R$ 30 milhões a exclusividade" dos institutos de pesquisa.

"Exigem todo dia que eu retire a minha candidatura, e o sistemão ganhou o Lula. Lula e Bolsonaro, um protegendo o outro. Por quê? Porque os dois garantem o mesmo tipo de modelo econômico. [...] E a governança política. O Roberto Jefferson (PTB), o Valdemar Costa Neto (PL), que a gente conhece, estão em todos os governos", afirmou Ciro.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Bruno Rodrigues e Débora Almeida
Manhã na Clube: entrevista com a dra. Tamara Cristina, endocrinologista
Refugiados ucranianos no Brasil: mais de 10 mil quilômetros longe de casa
Grupo Diario de Pernambuco