Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA

Associação da AGU critica representação de Wal do Açaí pelo órgão

Publicado em: 13/05/2022 13:15

 (crédito: Reprodução)
crédito: Reprodução
A Associação Nacional dos Advogados da União (Anauni) criticou a decisão da Advocacia-Geral da União (AGU) de atuar na defesa da ex-funcionária do presidente Jair Bolsonaro (PL), denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF) por improbidade administrativa sob suspeita de atuar como funcionária-fantasma.

Nota divulgada nessa quinta-feira (12) pela entidade informa que a Anauni vê com "profundo desconforto" a decisão e que acionará a Procuradoria-Geral da União para esclarecer o caso. A associação defende que a atuação da AGU em representação e defesa de agentes públicos possui "requisitos claros e inequívocos sobre as hipóteses de seu cabimento".

"Tais requisitos guardam relação com atos praticados necessariamente no exercício da função pública e não conflitantes com o interesse público, o que não parece ser o caso, haja vista os robustos indícios — amplamente divulgados pela imprensa — de que a ré, ao tempo em que ocupava função gratificada no gabinete do então parlamentar, desempenhava atividades comerciais fora de Brasília, quando, em princípio, deveria cumprir expediente na Câmara Federal", disse a entidade. 

A Anauni também afirmou não possuir os elementos necessários para formar juízo de valor sobre as razões que levaram à representação, já que o processo está sob sigilo, e não sabe informar se a conduta da AGU "foi ou não respaldada nos normativos que autorizam a atuação". Para esclarecer o caso, a associação afirmou que oficiará a Procuradoria-Geral da União.

Entenda o caso
 
Walderice Santos da Conceição, também conhecida como "Wal do Açaí", atuou como secretária parlamentar no gabinete de Jair Bolsonaro quando ele ainda era deputado federal, e recebia salário bruto de R$ 1.351,46. Porém, ela também mantinha como atividade principal um comércio na cidade de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro, chamado de "Wal do Açaí", e prestava serviços particulares na casa do atual presidente.

O Ministério Público entrou com ação e pede que Walderice e Bolsonaro sejam condenados por improbidade administrativa, ressarcindo aos cofres da União os recursos desviados. Segundo o MPF, Walderice não exercia o cargo público no gabinete de Bolsonaro, que sabia da situação e atestou falsamente sobre o cumprimento da jornada de 40 horas semanais exigida.

Na quinta-feira (12), a AGU se apresentou como representante de Walderice e de Bolsonaro. Se acordo com o órgão, os dois o acionaram sob argumento de que a lei respalda a decisão pelos atos investigados terem ocorrido enquanto ambos eram servidores públicos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco