Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

INCLUSÃO SOCIAL

STF adia julgamento que pode excluir pessoas com deficiência do mercado

Publicado em: 28/04/2022 19:59

 (Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF)
Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF
O julgamento que pode decidir o futuro do mercado de trabalho para jovens aprendizes e pessoas com deficiência (PcD) foi adiado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A Corte julga uma ação que questiona a possibilidade de redução ou mesmo extinção de cotas de vagas para essas categorias. A apreciação da matéria estava prevista para esta quinta-feira (28), mas foi suspensa, e segue sem data para retomar.

Cerca de 1 milhão de profissionais podem ser afetados, a depender da decisão dos ministros do Supremo. A lei que estabelece cotas de 2% a 5% da força de trabalho para pessoas com deficiência foi criada em 1991. No caso dos menores aprendizes, a legislação determinou, no fim de 2000, que empresas consideradas de médio e grande porte reservem vagas para adolescentes e jovens de 14 a 24 anos, sem idade máxima para os aprendizes com deficiência.

O tema entrou na pauta do STF por meio de diversas entidades empresariais. As associações questionaram a Justiça sobre a possibilidade de realizar acordos sobre as cotas tendo como base a reforma trabalhista sancionada em 2017.

A nova legislação estabeleceu que os acordos entre patrões e funcionários terão peso maior do que as leis que regulam o trabalho, com exceção dos direitos resguardados pela Constituição. Como as cotas não estão na lista dos direitos expressos no texto constitucional, abriu brecha para as ações dos empresários.

 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Para OMS, varíola do macaco ainda pode ser contida
Manhã na Clube: Henrique Queiroz Filho (PP), Edno Melo (Republicanos) e André Morais (CORECON-PE)
Soldado russo condenado à prisão perpétua por matar civil na Ucrânia
Grupo Diario de Pernambuco