Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

INFRAÇÕES ÉTICAS

Médicos pedem abertura de processo ético contra Queiroga no CFM

Publicado em: 06/01/2022 16:22

 (Foto: Walterson Rosa/MS)
Foto: Walterson Rosa/MS
Um grupo de médicos, ex-presidentes do Conselho de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo (Cosems/SP), solicitou ao Conselho Federal de Medicina (CFM) a abertura de um processo ético-profissional contra o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

Os profissionais afirmam que o ministro cometeu “infrações éticas graves no exercício da medicina, em razão de suas atribuições e responsabilidades frente ao Ministério da Saúde do governo brasileiro”. Os médicos destacaram principalmente a resistência de Queiroga em relação à vacinação das crianças entre 5 a 11 anos contra Covid-19.

Em um documento de 5 páginas assinado pelos membros do Conselho Honorário da entidade em 30 de dezembro, os ex-presidentes do Conselho argumentam que a execução da vacinação no “público infantil” foi obstada, a pretexto de ser submetida à opinião de especialistas. ”As razões para isto são totalmente inconsistentes, como veremos a seguir. A vacinação desta parcela significativa da população que se encontra descoberta de proteção específica contra COVID-19, a ser feita o mais urgentemente possível, viria em hora apropriada, face ao risco que neste momento representa a emergência da variante ômicron”, avalia o texto.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso da vacina da Pfizer em crianças em 16 dezembro passado, após reunião com um grupo de especialistas em imunologia e pediatria. Desde então, o assunto tem causado polêmica e discussões no governo. Na última quarta-feira (5/1), após grande resistência, o ministro anunciou a inclusão de crianças de 5 a 11 anos no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19, sem a exigência de prescrição médica.

“(…) Em gesto claramente dificultador ao processo de vacinação, jamais utilizado para nenhuma outra vacina, o médico objeto desta denúncia, informou que a vacina exigiria prescrição médica para sua aplicação, uma clara demonstração de limitação ao exercício do direito das crianças quanto à vacinação, conforme prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente”, escreveu o grupo de médicos no documento enviado ao CFM.

Para os membros do Conselho Honorário da instituição, Queiroga atua em benefício dos interesses do presidente Jair Bolsonaro. “Visto o encadeamento das posições do médico Ministro da Saúde, não resta outra alternativa senão a constatação de que ele atende, acima de tudo, aos interesses políticos e ideológicos do governo, e mais especialmente, do Presidente da República, que deixou absolutamente clara sua posição contrária à vacina em várias manifestações públicas”, escreveram.

O documento lista uma série infrações da ética médica cometidas pelo ministro. “Adiantamos nosso entendimento de que não cabe a justificativa de estar no exercício de uma função de agente público, visto que os ditames hierárquicos não são razão suficiente para transgredir princípios do exercício da medicina. Antes de ministro, o representado é médico, que, como todos nós, está submetido aos mesmos ditames éticos, que devem ser assumidos e confirmados em seu juramento médico”, finaliza o documento.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Zuri: 11 anos, multiinstrumentista, compositor e prodígio da música faz campanha para comprar violão
Bolsonaro cancela visita à Guiana devido à morte de sua mãe
Grupo Diario de Pernambuco