Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

'Bolsonaro só entende uma linguagem: CPI. É hora de agir', diz Renan Calheiros

Publicado em: 14/01/2022 15:25

 (Foto: Ed Alves/CB)
Foto: Ed Alves/CB
A possibilidade de uma nova Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar negligências no combate à Covid-19 no país começa a ser ventilada. Senadores se reuniram na quinta-feira (13) para debater a possibilidade e asseguraram ter 17 das 27 assinaturas necessárias para criação da comissão. O motivo da nova investigação seria a demora para dar início à vacinação das crianças, bem como apurar os ataques feitos pelo presidente Jair Bolsonaro à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL) informou em nota que uma nova investigação dos últimos dois meses se faz urgente. 'Desde o fim de outubro, Bolsonaro perdeu o medo de atacar a vacina, sentiu-se livre e voltou a delinquir. Ele só entende uma linguagem: CPI. É hora de agir', argumentou o senador.

O requerimento, protocolado na terça-feira (11) pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), informa que em nova CPI seria apurada também a falta de vacinas para a aplicação de doses de reforço e o apagão de dados referentes à pandemia do Ministério da Saúde após um ataque hacker ocorrido em 10 de dezembro de 2021.

Logo após anunciar o novo pedido, o senador se manifestou em seu Twitter: 'Instalar uma nova CPI da COVID é retomar investigações e pressões que foram fundamentais para a vacinação do povo brasileiro. Isso não nos impedirá de cobrar os resultados da primeira CPI, que apesar de ter tido vários resultados efetivos, sofre com a inércia da PGR', escreveu. Randolfe também é vice-presidente e autor do requerimento da CPI da Covid, que atuou entre abril e outubro do ano passado.

Para o sociólogo e cientista político Antônio Flávio Testa, a ação é inútil. 'A CPI da Covid foi um fracasso e a crise que a oposição quer construir é articulada. O objetivo é desestabilizar o governo', avalia. Testa destaca que outra CPI serviria 'apenas para dar visibilidade e palanque para senadores que querem se eleger, ou reeleger'.

Já o professor de ciência política da UniProjeção Alexandre Rocha acredita que uma nova CPI desgastaria o governo Bolsonaro, tendo em vista as eleições de outubro, e define a vacinação como o 'calcanhar de Aquiles' do presidente. 'Ele é bastante reticente com as políticas de vacinação, e tem isso como algo que agrega sua base eleitoral, mas, por outro lado, é prejudicial para sua imagem política no geral. As falas do presidente contribuem para que os opositores busquem alternativas para desgastar o governo”, explica. Para Rocha, uma nova CPI, agregada aos resultados da anterior, certamente prejudicaria o governo.

Com a possibilidade de uma nova CPI, Jair Bolsonaro fez críticas ao senador Randolfe, alegando que o parlamentar 'vive de Carnaval'. 'Agora querem uma nova CPI? Para apurar o quê? A CPI tem que ter um fato determinado, não pode ser uma CPI para qualquer coisa que pintar na frente, tem que ter um fato determinado. E qual o fato determinado desses caras?', questionou, em uma entrevista.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Papa recebeu como tapas os depoimentos de abusos no Canadá
Defesa de Brittney Griner alega falhas em provas apresentadas pela Rússia
Grupo Diario de Pernambuco