Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CONTRATO

TCU determina que empresa revele quanto pagou a Moro e forneça dados de contrato

Publicado em: 28/12/2021 19:43

 (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
)
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil
O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou que o escritório Alvarez & Marsal revele quanto pagou ao ex-juiz Sergio Moro depois que ele deixou a empresa, em outubro deste ano, para se aventurar na política. A determinação é do ministro Bruno Dantas, que acolheu pedidos do Ministério Público, apresentados pelo subprocurador Lucas Furtado.

Segundo o MP, a investigação é necessária, pois Moro proferiu decisões judiciais e orientou as condições para celebração de acordos de leniência da Odebrecht, empresa alvo da Lava-Jato e, logo em seguida, foi trabalhar para a consultoria que faz a administração da recuperação judicial da mesma empresa.

No despacho, Dantas ainda determinou que seja feito o levantamento de todos os processos de recuperação judicial em que a empresa atuou no período da operação, em ordem cronológica, para acompanhar a evolução dos negócios da companhia.

“Com vistas a obter toda documentação relativa ao rompimento do vínculo de prestação de serviços com o ex-juiz Sérgio Moro, incluindo datas das transações e valores envolvidos”, escreveu o ministro nos autos.

Em despacho anterior, Bruno Dantas já afirmou que os atos de Moro "naturalmente" contribuíram para a quebra da Odebrecht – e quer saber se a Alvarez & Marsal foi beneficiada por eles ao se envolver na recuperação da empreiteira e de outras organizações investigadas sob o comando do ex-juiz.

Moro encerrou seu contrato com a Alvarez & Marsal no último dia 31 de outubro, para se filiar ao Podemos, com objetivo de concorrer à Presidência da República.

Outro lado
Pela internet, o ex-juiz Sergio Moro se defendeu e disse repudiar o posicionamento de Bruno Dantas. Ele afirmou que o ministro faz “insinuações levianas”. “Não enriqueci no setor público e nem no privado. Não atuei em casos de conflito de interesses. Repudio as insinuações levianas do Procurador do TCU a meu respeito e lamento que o órgão seja utilizado dessa forma”, declarou via Twitter.

“Trabalhei 23 anos na carreira pública. Lutei contra a corrupção neste país como ninguém jamais havia feito. Deixei o serviço público e trabalhei honestamente no setor privado para sustentar minha família. Nunca paguei ou recebi propina, fiz rachadinha ou comprei mansões”, concluiu Moro.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Supervacinada: Rafaela inaugura a fase da imunização de crianças contra a Covid no Recife
ONG acusa Bolsonaro de ameaçar a democracia no Brasil
Primeiro lote de vacinas pediátricas chega ao Brasil
Manhã na Clube: entrevista com a psicóloga Renata Sales
Grupo Diario de Pernambuco