Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI DA COVID

Bolsonaro vira tema de bate-boca na CPI entre Jorginho Mello e Simone Tebet

Publicado em: 26/08/2021 13:50

 (foto: Agência Senado/Reprodução)
foto: Agência Senado/Reprodução
Os senadores Jorginho Mello (PL-SC) e Simone Tebet (MDB-MS) trocaram farpas durante a sessão desta quinta-feira (26) da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid. A discussão começou após o parlamentar governista afirmar que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é ‘um homem de muita sorte' por conseguir escapar de 'quadrilhas' que tentaram extorquir o Executivo federal.
 
"O presidente Bolsonaro é um homem blindado, sabiam? Vocês não conseguiram lograr o Estado brasileiro. Estava uma quadrilha articulada e montada para tirar o sangue e as condições do governo para salvar pessoas", disse Jorginho ao empresário José Ricardo Santana, que comentou em seu depoimento nesta manhã, que pediu exoneração do seu cargo como secretário-executivo da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), órgão da Anvisa, por vontade própria, sem receber salário, para trabalhar informalmente no Ministério da Saúde.

Simone Tebet rebateu a declaração feita pelo senador, aliado do governo Bolsonaro."Não era de sorte não, aqui só afirma o quanto o presidente era incompetente para nomear ministros da Saúde, o secretário executivo Élcio Franco, deixa um diretor do núcleo militar dentro do Ministério da Saúde. Esse foi o erro", disse a parlamentar.
 
Em seguida, Jorginho volta a defender o presidente da República e diz que ‘ele não sabia’ sobre as possíveis irregularidades dentro da pasta federal. "Claro que o gestor é sempre responsável, mas era uma gangue para meter a mão no baleiro, para roubar. (...) Um bando de gente que tentaram saquear o governo. Ainda bem que não conseguiram", declarou.

Tebet então contesta novamente as alegações feitas pelo senador. “Ele não entende de saúde pública, em plena pandemia, que estava matando aos milhares. Um general que também não entendia de planejamento e colocou alguém mais incompetente, agora nem sabíamos se estava envolvido em irregularidades, na secretaria-executiva, chamado coronel Éelcio Franco”, ressalta a parlamentar.

TAGS: simone | jorginho | boca | bate | bolsonaro |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Na ONU, Bolsonaro diz ser contra passaporte sanitário
Manhã na Clube: Augusto Coutinho, Laurice Siqueira, Frederico Preuss Duarte e Kaio Maniçoba
Estudante abre fogo e mata pelo menos seis pessoas em universidade russa
Manhã na Clube: entrevista com Anderson Ferreira, prefeito de Jaboatão dos Guararapes
Grupo Diario de Pernambuco