Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Comandante da Aeronáutica avisa Aziz: 'Não enviaremos 50 notas'

Publicado em: 09/07/2021 14:47

Carlos Junior disse que militares tem meios legais de evitar novas acusações às corporações (Foto: Bruno Batista/FAB)
Carlos Junior disse que militares tem meios legais de evitar novas acusações às corporações (Foto: Bruno Batista/FAB)
O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Carlos de Almeida Baptista Junior, comentou, em entrevista ao jornal O Globo, que enviará apenas uma nota de repúdio contra as declarações do presidente da CPI da COVID, Omar Aziz. Na quarta-feira (7), durante o depoimento de Roberto Dias, ex-diretor de logística do Ministério da Saúde no Senado, o parlamentar insinuou que os militares estariam envolvidos na tentativa de corrupção em torno da compra da vacina indiana Coxavin.

Carlos Júnior disse que as Forças Armadas ficaram incomodadas com tais declarações e que terão mecanismos dentro da base legal para evitar as acusações. Ao longo da semana, os comandantes da Marinha, Exército e Aeronática divulgaram comunicado protestando contra as falas de Aziz no Senado.

“É um alerta. Exatamente o que está escrito na nota. Nós não enviaremos 50 notas para ele (Omar Aziz). É apenas essa”, afirmou Carlos Júnior.

O comandante disse que se sentiu constrangido com as acusações contra o general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde: “Só que, o presidente de uma CPI, prematuramente, fazer julgamentos de oficiais, e a gente está vendo ele fazer isso com o Pazuello, um general da ativa, isso é muito desagradável e não podemos aceitar”.

"A nota foi uma resposta aos ataques à instituição militar. Foi resposta ao presidente da CPI, porque ele colocou isso de uma forma que nos parece generalizada. E esta observação dele já se repetiu em algumas outras oportunidades, particularmente em relação ao general (Eduardo) Pazuello (ex-ministro da Saúde), ao Elcio (Franco, ex-secretário executivo da Saúde)", completou.

Carlos Júnior disse que as Forças Armadas podem tomar atitudes sérias caso haja novo ato de desrespeito: “Precisamos preservar as instituições. Receio que o país entenda que apenas as Forças Armadas sejam responsáveis pela garantia institucional. Não, todas as instituições são responsáveis. Estou falando da instituição Parlamento brasileiro, da Presidência, dos tribunais, do STF (Supremo Tribunal Federal), da imprensa. Tem instituições que ainda não entenderam isso. Mas nós temos certeza da nossa responsabilidade”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com prefeito João Neto (PL), dra Tamires Sales e advogado Rômulo Saraiva
Manhã na Clube: entrevistas com Chico Kiko, Diego Pascaretta e Rômulo Saraiva
Domitila, artivista e recifense que está entre as selecionadas do Miss Alemanha 2021
Terceira dose de vacina anticovid começa a ser aplicada em Israel para aumentar imunidade
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco