Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Omar Aziz para Élcio Franco: 'O senhor protege aqueles que foram omissos'

Publicado em: 09/06/2021 17:32

 (foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
)
foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, instalada pelo Senado, senador Omar Aziz (PSD-AM), fez um desabafo durante a sessão, realizada nesta quarta-feira (9), que escuta o ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, Antônio Elcio Franco.
 
Durante todo tempo de depoimento, Franco negou qualquer atraso na compra de vacinas e afirmou que Eduardo Pazuello “lutou” para compra dos imunizantes e trabalhou para que o Brasil tivesse doses.
 
Em contrapartida, é fato que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) recomendou que o Ministério da Saúde não comprasse vacinas do Instituto Butantan por serem “vacinas chinesas" e “do governador João Dória”.
 
“A história que os senhores contam é mentirosa. É recorrente o Pazuello não respeitar ordens superiores. Não é o passeio de moto... como ministro ele desrespeitou a ordem do presidente. Bolsonaro falou que não compraria a vacina da china, ele que mandava... mas o Élcio diz que ele mandou comprar. É recorrente né?”, questionou o presidente ao depoente.
 
Sem resposta, Aziz continuou o discurso. “No Ministério da Saúde, todos os ministros que passaram aqui, depois do Teich, ninguém recebe ordem, né? Ele dá ordem e ninguém acata. Pazuello não gosta de cumprir ordem. Pode ouvir ordem expressa mas não segue”, diz o presidente da CPI ao se referir a fala do presidente, onde ele diz, que “manda” nas ações do ministério.
 
“Essa história não é verdadeira. A realidade é: não tinha interesse nenhum em comprar vacina, tinha imunidade de rebanho sim, onde os mais fracos morreriam e os mais fortes iam viver, e ainda tinha essa brincadeira do tratamento precoce que tirou a vida de muita gente”, falou Aziz. 
 
Em seguida, o presidente da CPI questionou Élcio Franco sobre a falta de oxigênio em Manaus. O ex-secretário afirma que o ministério agiu para combater a falta dos insumos no estado. "Isso não é verdade. Eu estava em Manaus, eu não tava em outro lugar... eu estava lá”, pontuou Aziz.

"O senhor teve dificuldade de respirar"? , perguntou Aziz. 

"Razoável", respondeu Élcio.
 
"Razoável não, teve dificuldade. O senhor tem boa condição física né? Era da unidade especial. Fez guerra de selva... né para qualquer macho não”, ponderou Aziz.

“O coronel (Élcio Franco) teve 50% do pulmão comprometido. Meu irmão morreu com 100%. Quando eu falo que faltou oxigênio na minha cidade, as pessoas não tem muita noção. Para quem teve a doença fica mais claro, né? Sabe o que as pessoas passaram. Por isso não dá para o senhor admitir que não existem responsáveis por isso. As pessoas vão pagar por isso. O governo ficou sabendo, com antecedência e não fizeram nada. Não estou te responsabilizando, apenas um desabafo”, completou.

Em seguida, o presidente falou sobre a responsabilidade da CPI de responsabilizar alguém pelas ações realizadas durante a pandemia. “Por isso que essa CPI não é uma qualquer. É uma CPI que brincou com a vida. Vocês falam sobre imunidade de rebanho, cloroquina, 'pode ir trabalhar', 'é gripezinha', é deputado médico brincando com a vida das pessoas.
 
Não dá para aceitar que sua excelência proteja aqueles que foram omissos, aqueles que não quiseram comprar a vacina e não trabalhar para o Brasil. Isso é trabalhar contra os brasileiros”, finalizou o presidente da CPI.
TAGS: cpi | franco | elcio | aziz | omar |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Diabetes: saiba como evitar e controlar antes que seja tarde
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco