Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

REFORMA MINISTERIAL

Em live, Bolsonaro nega politização em trocas no Ministério da Defesa

Publicado em: 02/04/2021 09:51 | Atualizado em: 02/04/2021 10:26

 (Foto: YouTube/Reprodução)
Foto: YouTube/Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) falou durante sua live semanal, realizada nesta quarta-feira (1), sobre as trocas feitas esta semana no Ministério da Defesa e negou que esteja 'politizando' as Forças Armadas. "Três ministros foram trocados, durante a semana, e três foram remanejados. Vou falar sobre o Ministério da Defesa. Houve uma especulação enorme da mídia. Tá politizando".

Segundo o presidente, tanto o antigo quanto o atual ministro da Defesa são generais do Exército. "Do último posto da carreira, generais de 4 estrelas". Ele lembrou que militares da ativa não podem estar filiados a partidos políticos. 

Bolsonaro questionou se estaria politizando ao colocar esses generais para ocupar a pasta. E para justificar a escolha lembrou que a ex-presidente Dilma Rousseff escolheu o ex-ministro e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner (PT) para ocupar o cargo, durante seu governo. "Isso é politizar? Ou eu que estou politizando?", perguntou. 

Em seguida, o presidente disse que o então ministro Jaques Wagner nomeou, para um cargo na Secretaria Geral do Ministério da Defesa, a esposa de um integrante do Movimento dos Sem Terra (MST). "Ela era conhecida como Dilma da Bahia" Estava politizando a Defesa ou era eu?".

Bolsonaro ressaltou que o ex-ministro Aldo Rebelo do PCdoB também já ocupou a pasta e criticou que nesse período não houve críticas da imprensa. "Quando essas pessoas foram alçadas à situação de cargos importantes ou ministérios, pessoas integrantes do PT, PCdoB e PDT não falaram nada." O presidente citou ainda os casos de José Genoino, Waldir Pires e Celso Amorim que foram filiados ao Partido dos Trabalhadores e ocuparam cargos ligados ao ministério da Defesa.      

Sobre o atual ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, o presidente lembrou que ele foi nomeado interventor na Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro. "Fez um excelente trabalho, reequipou a polícia militar, os demais órgãos de segurança. É uma pessoa de combate, um general da linha de frente. Estava na Casa Civil, fazendo um excelente trabalho. Foi convidado por mim. Ele me conhecia, eu conhecia ele e só nós sabemos o motivo disso tudo. Morreu aqui essa história. Não tem que discutir nada."

Bolsonaro terminou agradecendo o trabalho dos comandantes das Forças Armadas que entregaram os cargos na terça-feira (30/3).
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Metade da população adulta nos EUA já tomou ao menos uma dose de vacina contra Covid
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 19/04
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Resumo da semana: STF mantém anulações de sentenças contra Lula, mais jovens em UTIs e CPI da Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco