Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

AUXÍLIO EMERGENCIAL

'Vamos lutar por valor digno', diz Pacheco sobre volta do auxílio

Publicado em: 05/02/2021 19:35

 (Foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
Foto: Ed Alves/CB/D.A Press
Para atender o pleito de renovação do auxílio emergencial, o governo avalia enxugar não só o número de beneficiários, mas também o valor do benefício. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), admitiu a possibilidade nesta sexta-feira (5). Porém, garantiu que vai lutar por um "valor digno" e demonstrou a intenção de garantir a ajuda até que a vacina contra a Covid-19 chegue a "boa parte da população brasileira".

A focalização do auxílio emergencial foi levantada na quinta-feira (4) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Após reunião com Pacheco, o ministro admitiu renovar o auxílio, desde que isso ocorra com responsabilidade fiscal. Porém, disse que, desta vez, o auxílio poderia chegar à metade dos 64 milhões de brasileiros que estavam recebendo a ajuda no fim do ano passado. Para Guedes, a redução é viável já que algumas pessoas voltaram para o Bolsa Família e outras voltaram a trabalhar desde o início da pandemia.

Porém, também está em discussão uma revisão do valor do auxílio emergencial, que começou em R$ 600 e terminou o ano em R$ 300. Há quem fale, inclusive, em um auxílio de R$ 200, o mesmo montante que o governo pretende pagar no Bolsa Família a partir deste ano. Afinal, o governo e o Congresso Nacional querem renovar o auxílio sem estourar o teto de gastos e, hoje, ainda não se sabe de onde virão os recursos necessários para isso.

Ao falar sobre a volta do auxílio emergencial nesta sexta-feira, Rodrigo Pacheco admitiu que as condições do benefício, como o alcance, o valor e o número de parcelas, estão em discussão. Ele disse que é preciso socorrer as pessoas nesse momento de recrudescimento da pandemia, mas "talvez não na mesma monta".

Porém, ressaltou que essas condições serão elaboradas "a partir de critérios técnicos e fundamentos econômicos que a equipe econômica está elaborando", e ainda serão discutidas com as lideranças do Congresso. Por conta disso, preferiu não ventilar nenhum valor ou quantidade de parcelas, para "não alimentar expectativas".

"Assistência social mais imediata"

O presidente do Senado, no entanto, garantiu que vai trabalhar por um "valor digno" e pela quantidade de parcelas equivalente ao tempo necessário para a imunização de boa parte da população brasileira contra a Covid-19. "É impossível nesse momento prever, mas, obviamente, lutaremos por um valor que seja digno para aquele que o recebe e uma possibilidade para quem paga, considerando os critérios de responsabilidade fiscal", declarou.

Ele ainda disse que sentiu "receptividade" de Guedes para a ideia de que, "com toda responsabilidade fiscal, encontrando os caminhos e os fundamentos econômicos, possamos ter essa assistência social mais imediata nesse momento de pandemia, enquanto a vacina não seja capaz de imunizar boa parte da população brasileira".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco