Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

LAVA-JATO

Polícia Federal apura possível esquema de corrupção na Gerência de Marketing da Petrobras

Publicado em: 07/10/2020 14:08

 (Foto: Arquivo/Agência Brasil)
Foto: Arquivo/Agência Brasil
A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (7/10), a 76ª fase da Operação Lava-Jato, que busca aprofundar investigações sobre esquemas de corrupção, principalmente no comércio de bunker (produto usado como combustível de navio), na Gerência Executiva de Marketing e Comercialização da Petrobras, que fica abaixo da Diretoria de Abastecimento da empresa. Intitulada Operação Sem Limites III, a ação cumpre quatro mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro (RJ).

Segundo o Ministério Público Federal (MPF), que atua na investigação com a PF, as provas, até o momento, sugerem que os investigados faziam um rodízio no “fechamento de operações com as empresas do setor” que, por sua vez, pagavam propina. A operação desta quarta-feira busca chegar aos executivos das outras companhias e aos empregados envolvidos. Os funcionários, conforme apuração, dividiam os valores de propina com outros servidores da gerência de marketing já denunciados e investigados pela Lava-Jato.

Conforme o MPF, um dos funcionários da Petrobras que é alvo da operação “foi responsável pelas negociações de combustíveis marítimos para os navios da estatal, próprios e afretados, que abasteciam no porto de Singapura”. “Tendo em vista a série de irregularidades cometidas, entre as quais, relacionamento impróprio com fornecedores e conflito de interesses, chegou a ser suspenso de suas atividades por 29 dias”, informou o Ministério Público.

Para fundamentar o pedido de busca e apreensão, foram incluídas provas já colhidas na investigação, como mensagens, e-mails, planilhas e uma série de notas fiscais de uma das companhias envolvidas, que apontam para a existência de um “sistemático esquema de pagamento de vantagens indevidas e de conversão desses valores em bens de aparência lícita, que perdurou, pelo menos, de 2009 a 2018”, segundo o MPF.

Uma das empresas envolvidas pagou por meio de doleiros propina na ordem de US$ 8,2 milhões, o que equivale a cerca de R$ 46 milhões hoje. Ainda conforme as apurações, um dos investigados recebeu de um executivo de uma das empresas realizadoras de negócios de combustíveis marítimos ao menos €12.249,44 (aproximadamente R$ 81 mil) em passagens aéreas e pagamento de parcelas de um contrato para ser membro de um “clube de férias”, tendo esse ex-funcionário se hospedado em hotéis de luxo.

Os investigados podem responder por crimes de corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco