Diario de Pernambuco
Busca
Gilberto Gil e a Unicap

João Bosco Tenório Galvão
Advogado

Publicado em: 05/07/2022 03:00 Atualizado em: 05/07/2022 05:53

O Teatro Popular do Nordeste – TP N funcionava na Av. Conde da Boa Vista, vizinho à Cantina Boa Vista, ambos redutos dos estudantes. Além de teatro, nos fundos do prédio funcionava um bar com petiscos. Foi lá que conheci Gilberto Gil após um show do baiano, quando Dedé Aureliano, grande figura nos apresentou. A empatia foi recíproca e Gil integrou-se ao nosso convívio em suas repetidas viagens ao Recife nos anos de 1966 a 1968.

Numa de nossas conversas, com vários estudantes da Unicap, inclusive Zé Paulo Cavalcanti, Gil comentou a presença maciça de músicas estrangeiras em nossas rádios, com suas letras incompreensíveis para a maioria dos ouvintes. Lembro que comparou um belo verso de sua música Procissão com outro da música ObLa Di, ObLa Da dos Beatles, uma das mais tocadas. Sugeri ao cantor fazer uma conferência na Unicap sobre MPB. O convite foi feito pelo Diretório Acadêmico de Direito e de pronto aceito. O ano era 1967. Combinamos a data.

Tínhamos saído de uma experiência magnífica quando o D.A. de Direito, um ano antes, organizara no pátio da Unicap a 1ª Semana de Arte Popular do Nordeste, o maior evento cultural promovido na Católica de todos os tempos, com exibição de cantorias, venda de livros e literatura de cordel, números circenses, bandas de pífanos, repentistas, exposição do pintor Bajado, o que lhe conferiu justa notoriedade, além de comidas, bebidas e danças típicas, o sucesso foi estonteante. O Diretório de Direito comandava tudo e sua sede servia como Diretório Central dos Estudantes da Unicap.

Gilberto Gil já não era um iniciante, tinha 26 anos e vários sucessos no mercado nacional, destacando-se Procissão, Samba de Roda, Eu Vim da Bahia, Domingo no Parque. Também suas apresentações no Recife lhe deram popularidade e aceitação. A Avenida Conde da Boa Vista com suas cantinas, bares e o TPN era um sítio da juventude.

Acertada a data com o cantor, passou-se a tratar com a Direção da Unicap. O diretor da Faculdade de Direito. Algumas restrições foram colocadas pela Reitoria, que estranhava cantor fazer conferência em universidade. O grau de Administrador de Empresa de Gil informado por mim superou as falsas restrições.! Concluídos os preparativos, ficamos na expectativa do evento, marcado para as 19h30 de um dia que não lembro e só recordo. Pedidos de informações choviam no DA e na Secretaria da Faculdade, prenúncio de grande audiência. Desde as 17 horas preocupações me tomaram. A grande sala onde seria proferida a conferência seria pequena. Começamos a selecionar, dando prioridade aos alunos de Direito. 18h30 não cabia uma mosca na grande sala o que me causou preocupação sobre eventual tumulto. Algumas providências foram tomadas, garantindo o ingresso do conferencista ao local. A conferência iniciada pontualmente prolongou-se até as 23h num sucesso retumbante.

Gilberto Gil pontificou com sua arte, seu conhecimento do mercado musical e explanações sobre as dificuldades aos artistas iniciantes impostas pelas grandes gravadoras. Quando anunciei o fim da aula-espetáculo, Gil foi aplaudido de pé por longos minutos. O evento entrou para a história da Escola de Direito embevecendo sua Direção e hoje o ex-presidente do Diretório Acadêmico José Paulo Cavalcanti Filho é confrade do então cantor conferencista na Academia Brasileira de Letras para nossa glória e deleite.

Esses episódios por mim vividos por suas recordações cinquentenárias invadiram minha alma com alegrias renovadas e ampliadas ao ver Zé Paulo e Gil trajando seus fardões em solenidade de posse na ABL, me fazendo navegar onde era preciso, no mar da magia existente nas histórias da Unicap, do TPN e dos barzinhos de então, que já conferiam imortalidade e confraria a José Paulo, escritor e jurista do sempre, e a Gilberto Gil poeta e cantor de nascença, a quem parabenizo pelos 80 anos.

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

A saúde no Brasil está doente! (2)

18/08/2022 às 03h00

Créditos fiscais possibilitam redução de dívida tributária

18/08/2022 às 03h00

A saúde no Brasil está doente! (1)

17/08/2022 às 03h00

A contribuição do Recife para a Fotografia moderna

17/08/2022 às 03h00

O pacote memorioso

16/08/2022 às 03h00

Aí complica

16/08/2022 às 03h00

Dissonâncias cognitivas e narrativas

15/08/2022 às 03h00

Dia da Imigração Chinesa sublima a amizade dos dois povos

15/08/2022 às 03h00

O arco-íris

13/08/2022 às 03h00

IPCA negativo

13/08/2022 às 03h00

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

12/08/2022 às 03h00

O Dia dos Pais e suas controvérsias

12/08/2022 às 03h00

A insensatez dos extremos

11/08/2022 às 03h00

Apostas esportivas - decreto, eleição e religião

Em ano de eleição, em que a macroeconomia e a condução política são mais importantes que uma reflexão técnica advinda de um setor que há quase 04 anos espera seu regramento, aproveitar os meses que antecedem outubro para refinar os estudos e aperfeiçoar o conteúdo do Decreto seriam tão produtivos quanto não invocar essa pauta até o pleito, mantendo o apoio cristão-conservador intocável

11/08/2022 às 03h00

"Cristo vive! Somos suas testemunhas"

10/08/2022 às 03h00

Pró-Criança 29 anos

10/08/2022 às 03h00

Os desafios do advogado contemporâneo

09/08/2022 às 03h00

Metaverso: como esse novo ambiente pode mudar nossas vidas

09/08/2022 às 03h00