Diario de Pernambuco
Busca
Festas juninas extemporâneas

Pedro Rubens
Reitor da Unicap

Publicado em: 07/07/2022 03:00 Atualizado em: 07/07/2022 06:43

Por causa da nova onda da pandemia e da calamidade pública provocada pelas chuvas, alguns festejos juninos foram adiados, no Recife, mas também em outros lugares. Por isso, esta reflexão ainda está em tempo. Celebrei a primeira das festas, animando uma roda de conversas com rapazes que desejam renunciar ao casamento para postularem a vida franciscana na Província Santo Antônio do Brasil (à qual pertence Pernambuco), no Dia dos Namorados (as) que, em nosso país, por influência do santo português, difere de, praticamente, todo o restante do mundo, que celebra o Valentin’s day, em 14 de fevereiro. Nas outras duas datas, estive em isolamento social para cuidar da Covid que, graças às vacinas e aos cuidados, me afetou com sintomas leves. Mas evoco outro sinal extemporâneo da festa junina: talvez por falta de espaço para mais feriados religiosos no calendário civil, a liturgia da celebração de São Pedro e São Paulo da Igreja Católica passou para o domingo seguinte, no calendário canônico brasileiro. Vale destacar que essa mudança não diminuiu o sentido da festa, muito pelo contrário: a festa dessas duas “colunas da Igreja”, no Brasil, passou a ser celebrada no domingo, “dia do Senhor”, centro da fé e fundamento da Igreja.

Em tempos de crise civilizatória geral, como denuncia o Papa Francisco, bem como na crise de democracia que vivemos, sobretudo em países como o Brasil. Durante a pandemia e em alguns episódios da vida política nacional, temos assistido, dentro dos templos ou de espaços públicos e até nas ruas, manifestações estranhas, que, embora em suposta defesa de igrejas e usando o nome de Jesus, são, realmente, contraditórias com o Evangelho. O regime da cristandade, como sabemos, entrou em crise com o advento da modernidade, do Estado moderno de Direito e das democracias. Nos últimos tempos, a modernidade também entrou em crise, sobretudo em razão de suas promessas não cumpridas e de suas consequências nefastas: neoliberalismo cruel, meio ambiente devastado, bolsões de empobrecimento, guerras absurdas alimentando mercado de armas (terceira guerra mundial contínua e fragmentada, como diz o Papa Francisco), pandemias que ameaçam a humanidade explicitando suas profundas desigualdades... Mas a crise da modernidade, que me desculpem os conservadores saudosistas, não significa nenhuma chance de retorno à cristandade. Estamos diante de um duplo desmoronamento histórico, uma verdadeira crise dos sistemas totalizantes, tanto a cristandade como a modernidade. Eis um tempo favorável a acolher a diversidade, conviver com a pluralidade e assumir a corresponsabilidade mundial abraçando todas as dimensões de nossa existência: sobrevivência, economia, ciência, política, espiritualidade... Tudo está interligado, diria o Papa Francisco.

As festas juninas, tão bonitas, populares e significativas, expressam muito do espírito nordestino. Foram trazidas de outros povos, mas muito bem traduzidas ao nosso jeito de ser e festejar: por exemplo, no comando aos brincantes, entre en avant tous e en arrière transformamos em grandes rodas ou cirandas, lembramos a chuva de mentira e falando de medos e sustos bem-humorados (olha a cobra!), testamos o grau de nossa coragem, sem esquecer o changez de dames e changez des chevaliers, práticas de troca de casais que saíram dos folguedos para a vida contemporânea. As festas mudaram com as novas bandas e grandes estruturas, as quadrilhas foram estilizadas. Uns reclamam, com saudades, das festas de interior e das quadrilhas matutas; outros defendem a inovação: sem entrar na discussão, digamos que a tensão pode ser interessante e fazer pensar. Os legítimos folguedos, como dizia um quadrilheiro, devem guardar três elementos: a dramaturgia (casamento matuto: viva Santo Antônio!), a dança e a música (Viva São João!).
Além disso, creio, deveríamos incluir a simbologia das chaves para abrir novos ciclos, não somente das colheitas, mas de nossa vida (viva São Pedro!) e, ainda, lutar por dias melhores e novos espaços (viva São Paulo!), com espada numa mão e a Palavra libertadora na outra: este último santo ainda não encontrou expressão nos nossos folguedos juninos.

Agradeçamos, portanto, a Santo Antônio casamenteiro, também grande pregador e amigo dos empobrecidos: Que esse franciscano, tão querido e popular no Brasil, nos ajude a reinventar nossas relações de amor e renovar os casamentos. Que São João, precursor do Messias e profeta corajoso que morreu de maneira trágica, mas, celebrado em seu nascimento, nos legou a alegria da festa, simbolizada nas fogueiras, nos fogos de artifícios, na música e na dança. São Pedro, simbolizado com as chaves nas mãos, não somente seja sinal de abertura da igreja e dos céus, inclusive associado às chuvas e ao bom inverno de colheitas, que ele nos ofereça chaves novas para reinterpretar nossas ações no mundo: São Pedro que nos deu as chaves para fechar e reabrir novos ciclos (alusão à festa da colheita e às comidas da época), nos inspire um novo jeito de habitar nosso planeta, cuidando das mudanças climáticas e construindo uma sociedade pós-pandemia, realmente, sustentável. E São Paulo? Precisamos ainda incorporá-lo nas festas juninas, interpretando, de um lado, o símbolo da espada para encorajar nossas lutas de hoje, e, de outro lado, a Palavra de Deus que ele empunhou como uma nova arma para o bom combate da liberdade, para além dos círculos religiosos fechados. Que Paulo, convertido em apóstolo dos pagãos ou não crentes, nos faça perceber melhor o sentido de um cristianismo sem fronteiras, respeitoso dos espaços públicos e da democracia, da separação da Igreja e do Estado, cada um com seu papel, sem uso e abuso nefasto de poder... Enfim, que a bela mistura das festas juninas, que não dividem entre profano e religioso os melhores momentos de nossa vida, possa nos convencer, retomando Pessoa, que tudo isso é “tão humano que é divino”.

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

A saúde no Brasil está doente! (2)

18/08/2022 às 03h00

Créditos fiscais possibilitam redução de dívida tributária

18/08/2022 às 03h00

A saúde no Brasil está doente! (1)

17/08/2022 às 03h00

A contribuição do Recife para a Fotografia moderna

17/08/2022 às 03h00

O pacote memorioso

16/08/2022 às 03h00

Aí complica

16/08/2022 às 03h00

Dissonâncias cognitivas e narrativas

15/08/2022 às 03h00

Dia da Imigração Chinesa sublima a amizade dos dois povos

15/08/2022 às 03h00

O arco-íris

13/08/2022 às 03h00

IPCA negativo

13/08/2022 às 03h00

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

12/08/2022 às 03h00

O Dia dos Pais e suas controvérsias

12/08/2022 às 03h00

A insensatez dos extremos

11/08/2022 às 03h00

Apostas esportivas - decreto, eleição e religião

Em ano de eleição, em que a macroeconomia e a condução política são mais importantes que uma reflexão técnica advinda de um setor que há quase 04 anos espera seu regramento, aproveitar os meses que antecedem outubro para refinar os estudos e aperfeiçoar o conteúdo do Decreto seriam tão produtivos quanto não invocar essa pauta até o pleito, mantendo o apoio cristão-conservador intocável

11/08/2022 às 03h00

"Cristo vive! Somos suas testemunhas"

10/08/2022 às 03h00

Pró-Criança 29 anos

10/08/2022 às 03h00

Os desafios do advogado contemporâneo

09/08/2022 às 03h00

Metaverso: como esse novo ambiente pode mudar nossas vidas

09/08/2022 às 03h00