Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Uma história de 54 anos no ar (2)

João Alberto Martins Sobral
Jornalista

Publicado em: 20/05/2022 03:00 Atualizado em:

Termino hoje a lembrança dos meus programas em emissoras do Recife e também na TV Tupi do Rio.

TV Tribuna: Na instalação da TV Tribuna, fui convidado pelo diretor Aldo Paes Barreto para levar meu programa para o Canal 4, que investia forte no jornalismo. Por sugestão dele, o programa passou a se chamar João Alberto Confidencial, que era diário, sempre às 13h. Durante oito anos, esteve no ar e era gravado em um estúdio instalado no alto da torre da emissora, com direito a uma vista deslumbrante do Recife e Olinda. Como eu gravava uma vez por semana, tinha entre os patrocinados a Ele-Ela Modas, que mandava funcionário, com paletós e gravatas, que eu trocava a cada programa que eu fazia.

TV Guararapes: Quando os Diários Associados voltaram a ter televisão, a Guararapes, no Canal 9, fui chamado pelo diretor Frederico Nogueira para levar meu programa para o Canal 9, que voltou a se chamar João Alberto Informal. Tinha um belíssimo estúdio e exibição, de segunda a sexta-feira, no horário nobre das 19h. Durante seis anos, entrevistei os maiores nomes da política, do empresariado, do esporte, das artes. Também gravava uma vez por semana e havia um maquiador exclusivo para trabalhar com os entrevistados e comigo. Como a emissora tinha câmeras moderníssimas, era muito importante uma imagem perfeita. Tive lá a oportunidade de entrevistar os presidentes Lula e Fernando Henrique Cardoso, que estavam em campanha.

TV Tupi: Foi uma passagem curiosa. Fiz algumas matérias especiais, como sobre o São João de Caruaru e a Paixão da Cristo da Nova Jerusalém, participação duas vezes no júri do Programa Flávio Cavalcanti, duas vezes como jurado do Miss Brasil. Atuei também como jornalista esportivo. Fazia a transmissão de jogos de clubes cariocas no Recife, ao lado do comentarista Ruy Porto. Como as transmissões eram apenas para o Rio, recebia a orientação de sempre mostrar torcer pelo time de lá. E num jogo entre Flamengo e Sport, ganhei uma vaia de torcedores do Sport, mesmo sabendo que eu sou torcedor do rubro-negro pernambucano.

TV Estação: Quando a TV Guararapes e os Diários Associados firmaram uma parceria com o empresário João Florentino - ele tinha uma rede de lojas de discos, com unidades em vários estados e uma gravadora e decidira abrir uma emissora de televisão -, meu programa foi para a TV Estação, que ocupava uma enorme área na Rua Imperial. Também ganhou um bonito cenário e gravava uma vez por semana. Certa vez, numa tarde e noite, fiz 21 programas, para poder viajar. Felizmente, saiu tudo certinho. Lá, tinha a vantagem de almoçar antes de gravar, no sofisticado restaurante da emissora, que tinha entre os convidados alguns dos entrevistados. Uma vez, fiz a gravação do programa numa tarde de sábado, para aproveitar a presença de Geraldo Alckmin, então candidato a presidente, que foi levado pelo saudoso Sérgio Guerra.

TV Rádio Clube: Depois de um tempo, retornei com meu programa à TV Rádio Clube, que era exibido aos sábados, às 14h e gravado num estúdio montado no palco do auditório da emissora, na Rua do Veiga. Durante quatro anos entrevistei muita gente conhecida. Depois, fiquei fazendo um quadro no Jornal da Clube, dando dicas de eventos na cidade.

TV Tribuna: Pela segunda vez, voltei para a TV Tribuna. O programa era exibido nos sábados, no espaço do Jornal da Tribuna. Depois, passou a ser diário, com 20  minutos, por onde têm passado muitos nomes conhecidos na política, música, empresariado, medicina. Faço as gravações duas vezes por semana. A exibição acontece às 18h50.

Planta gigante, prima da vitória-régia, é descoberta em Londres
Manhã na Clube: entrevistas com a deputada estadual Teresa Leitão (PT) e Juliana César
Última Volta: GP da Grã Bretanha de F1 2022
Quem é Júlio Lancellotti, o padre antissistema que dá esperança aos pobres
Grupo Diario de Pernambuco