Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Uma história de 54 anos no ar - 1

João Alberto Martins Sobral
Jornalista

Publicado em: 13/05/2022 03:00 Atualizado em: 12/05/2022 23:29

Durante várias semanas, venho escrevendo sobre fatos da história da televisão pernambucana, sempre com repercussão, que posso medir pelo grande número de mensagens que recebo. Muitas cobrando a lembrança dos meus programas. Estou há mais de 50 anos no ar, com pequenos períodos de fora. Passei por oito emissoras do estado. Na primeira fase com programas de variedades. Depois, com o talk show, o mais antigo do estado e um dos mais antigos do país. Perdi a conta do número de pessoas que entrevistei, de várias áreas: políticos, empresários, artistas, médicos, dentistas, chefs, empreendedores, escritores. Vale a pena relembrar os programas que apresentei.

TV Rádio Clube: Foi minha primeira emissora. No programa Gente & Notícia, onde substitui Mauro Almeida, um jornalista mineiro que atuava no Recife. No mesmo dia em que assumi a coluna social do Diario de Pernambuco, substituindo Fernando Barreto, fui chamado por Antiogenes Tavares, que já conhecia dos meus tempos de repórter do DP, para passar a apresentar o programa e pediu que os produtores me orientassem. Estreei no dia 10 de julho de 1968. O programa era exibido ao vivo, das 17h às 17h30, com notícias e entrevistas. Neste primeiro programa, mostrei a Taça Jules Rimet, que circulava pelo Brasil, divulgando a Copa do Mundo de 1970. Era a taça original, que foi roubada e queimada, toda em ouro. Chegou num carro forte do Banorte. Pouco depois, passei a apresentar, com Thais Notare, o programa Top Set, ainda hoje lembrado. Tinha uma hora de duração, das 13h às 14h, ao vivo, com entrevistas, números musicais, reportagens. Desfiles de moda. Era produzido por José Pimentel. Esteve no ar por cinco anos. Quando Marcos Vilaça foi presidente da Academia Pernambucana de Letras, promoveu uma reunião da casa ao vivo no programa, que teve entre os participantes Gilberto Freyre. Num dos programas, tive que sair direto para a Polícia Federal, depois de entrevista com Dercy Gonçalves, que disse, digamos, coisas pouco republicanas. Depois, estive no Jornal da Tarde, que reunia cinco apresentadores e era comandado por Barbosa Filho, com coisas da cidade. Lá, iniciei a apresentar talk shows. Surgiu o João Alberto Informal. Como eles próprios confirmaram, fiz as primeiras entrevistas na TV, de muitos nomes conhecidos, como Marcos Freire, Fernando Lyra, Jarbas Vasconcelos. Estava entrevistando Capiba, quando começou no estúdio o incêndio que destruiu a emissora. Comandei a transmissão de várias festa de carnaval e concursos de Miss Pernambuco e até do Miss Alagoas e Miss Paraíba, convidado por emissoras de TV dos Associados naqueles estados. E até apresentei o telejornal, nas folgas do fim de semana do apresentador Cícero de Morais. Na época, não havia teleprompter (equipamento que mostra o texto a ser lido junto da câmera) e recordo da dificuldade que tinha para falar meteorologia e otorrinolaringologista. Era um terror para mim.

TV Universitária: Com o fechamento da TV Rádio Clube, aceitei o convite de José Mário Austragésilo para levar o programa para o Canal 11. Era aos sábados, das 17h às 18h, com direito a um belíssimo cenário, conseguido numa parceria com o então Banco Econômico. Graças a Ricardo Leitão, que me recomentou a Miguel Arraes, que não me conhecia, fiz a primeira entrevista quando ele voltou do exílio. Foi nela, por minha insistência que ele revelou torcer pelo Íbis. Brincando, disse que era para não brigar com os filhos, que torciam pelo Sport, Náutico e Santa Cruz. “Minha casa é a Federação Pernambucana de Futebol”, concluiu.

TV Pernambuco: Laila Craveiro foi durante um período diretora da TV Pernambuco, quando a emissora gerava as imagens do Recife. Ela me convidou e fiz por um bom período meu programa lá. Era ao vivo, no estúdio da emissora na Avenida Rosa e Silva, na Tamarineira. Recordo de uma das entrevistas que fiz, com Patrícia França, que era destaque como carro-chefe das campanhas publicitárias de uma loja da cidade. Depois, ela se tornou uma atriz de sucesso na televisão brasileira.

Brasil começa preparação para amistosos
Bombeiros encontram corpos de casal soterrado em Olinda
Manhã na Clube: entrevistas com Mendonça Filho e dr. Roberto Galvão Filho, oftalmologista
Ataque a tiros em escola nos EUA deixa 21 mortos
Grupo Diario de Pernambuco