Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Sextou! Mas é sexta-feira 13...

Alexandre Acioli
Jornalista, produtor cultural, pesquisador folkcomunicacional

Publicado em: 13/05/2022 03:00 Atualizado em: 12/05/2022 23:30

Hoje é sexta-feira. Sexta-feira 13. É a primeira e única deste ano de 2022. A data é sempre aguardada com expectativa pelos supersticiosos, atentos às previsões e à ocorrência de acontecimentos não muito animadores. Para eles, este é um dia de azar. Os mais otimistas falam em dia de pouca sorte. Essa inquietação não é nova.

Hesíodo (Século VII a.C) registrou no seu livro Os trabalhos e os dias a recomendação de não se plantar no 13º dia. Na numerologia, o 13 é tido como um número irregular, sinal de infortúnio. No Tarô, a carta 13 representa a morte. Então, para os supersticiosos, a “Sexta-feira 13” é o dia em que a sorte está de folga e, portanto, merece muita atenção e precaução redobrada.

A crença de que a sexta-feira 13 é um dia agourento é antiga e fundamenta-se em antigas lendas cultivadas na Idade Média, do outro lado do Oceano Atlântico. Atribuíam a data às bruxas. Dizia-se que na sexta-feira, dia 13, essas personagens estariam soltas e trazendo má sorte aos mortais.

Uma lenda da mitologia nórdica conta que Friga, a Deusa do Amor e da Beleza, foi transformada em bruxa quando as tribos escandinavas se converteram ao cristianismo. A partir de então, Friga, juntamente com o demônio e outras 11 bruxas, passou a se reunir às sextas-feiras para infernizar a vida da população.

Os cristãos primitivos (nos três séculos iniciais da era cristã) também faziam menção à data, baseados em dois relatos bíblicos: a última Ceia do Senhor Jesus, onde haviam 13 pessoas; e a crucificação de Cristo, ocorrida numa sexta-feira. Há também o registro da prisão, tortura e execução dos membros da Ordem dos Cavaleiros Templários (Cavaleiros de Cristo), numa sexta-feira, 13 de outubro de 1307, na França, acusados de heresia.

Mas, deixando a crendice de lado, quem tem medo deste dia? Afinal, o que tem de mau o dia 13, especialmente se ocorrer numa sexta-feira? Se você não tem uma resposta científica ou pelo menos convincente, coloque tudo o que já ouviu sobre essa data na conta da superstição e das lendas - alimentadas e mantidas durante séculos.

Segundo a astrologia, a sexta-feira é o dia regido por Vênus, o planeta do amor, da beleza, do entretenimento e da harmonia. Para os místicos, o 13 está associado à evolução de todo ser. Na numerologia não há nada contra o número. O 1 e o 3 (que formam o 13) estão ligados à festividade, liberdade e otimismo. Então, não há porque temer a sexta-feira 13! É um dia como outro qualquer, de obrigações, compromissos, afazeres e prazeres.

Os ocultistas dizem que o número 13 sugere a morte. Isto é ótimo! Morte significa o fim de um ciclo e o início de um novo período na nossa evolução cíclica; significa necessidade de mudança.

Sigamos em frente, acreditando que este é apenas mais um dia nas nossas vidas. É preferível não considerar este como um dia de infortúnios. O azar, creia, está ligado à falta de fé. Inteligentes como somos não devemos escolher uma data para responsabilizar pelos nossos fracassos. Estes, na maioria das vezes, são o resultado da nossa própria falta de atenção, cuidado, esforço e planejamento.

Relaxe... Sextou!

Maio Verde: glaucoma é a principal causa de cegueira irreversível no mundo
Brasil começa preparação para amistosos
Bombeiros encontram corpos de casal soterrado em Olinda
Manhã na Clube: entrevistas com Mendonça Filho e dr. Roberto Galvão Filho, oftalmologista
Grupo Diario de Pernambuco