Diario de Pernambuco
Busca
Os maiores pintores de Pernambuco (Final)

João Alberto Martins Sobral
Jornalista

Publicado em: 14/01/2022 03:00 Atualizado em:

Romero Britto: nasceu no Recife, em 1963, de uma família muito humilde. Começou a pintar com oito anos e seus cadernos escolares estavam sempre repletos de pinturas. Estudou no Colégio Marista, com bolsa de estudos. Aos 14 anos, realizou sua primeira exposição e vendeu um quadro para a Organização dos Estados Americanos. Começou o curso de Direito na Unicap, mas no segundo ano trancou a matrícula e viajou para a Europa, onde ficou um ano hospedado na casa de amigos. No retorno, voltou a estudar, mas acabou desistindo de vez do curso, descobrindo que a pintura era mais importante do que seu outro sonho: ser diplomata. Viajou para Miami, onde trabalhou como ajudante de jardineiro, caixa de loja e atendente de lanchonete. enquanto procurava uma galeria para expor sua obra, passou a mostrar seus quadros nas calçadas de Coconut Grove, bairro sofisticado de Miami. Eles chamaram a atenção de Berenice Steiner, que o convidou para expor na sua galeria de arte. Foi o ponto de partida para uma carreira de enorme sucesso. Sua obra recebeu influência da Pop Art sendo representada por cores fortes e vibrantes, marcadas por linhas pretas que demarcam seus desenhos. Sua arte está em quadros e esculturas e centenas de produtos licenciados com sua grife. Todas com a marca e o colorido do seu talento. Ele tem em São Paulo uma fundação, que arrecada fundos para diversas entidades filantrópicas. É hoje, o pintor pernambucano com maior mercado internacional.

José Patrício: Nasceu em 1960 no Recife. Frequentou a Escolinha de Arte do Recife e realizou sua primeira exposição em 1983, na Oficina Guianases, onde foi diretor artístico. Com bolsa da CNPq passou dois anos fazendo estágios em instituições de Paris. Seu trabalho se realiza na fronteira entre instalação e pintura, misturando esses gêneros. Sua prática parte do arranjo de objetos cotidianos, tais como dominós, dados e botões, a fim de criar padrões e imagens que podem ter caráter geométrico ou orgânico, ainda que não deixem de resguardar uma familiaridade enigmática com o cotidiano, tendo em vista a possibilidade de se reconhecer aqueles elementos nas composições. Realizou várias exposições no Brasil e exterior. Para assinalar os 45 anos de pintura lançou o livro Percursos de Criação, uma mescla de biografia, catálogo e diário pessoal.

Demazinho Gomes: Uma figura que brilhou muito na nossa sociedade, inclusive no período em que foi casado com a diva Helena Pessoa de Queiroz, aprendeu pintura, mostrando muito talento. Mostrado em várias exposições no Recife. Tem quadros em várias pinacotecas particulares do Recife, Rio e São Paulo. Está com uma coleção pronta e espera o fim da pandemia para expor.

Romero Andrade Lima: Nasceu no Recife em 1957. Começou a pintar como autodidata, mas recebendo a orientação do seu tio e padrinho Ariano Suassuna. A partir de 1988, como contraponto à sua produção individual de artista plástico, passou a integrar-se a diversas realizações em grupo no teatro e vídeo. Atualmente pinta e esculpe cotidianamente e expõe e vende seus trabalhos no Recife. Cria também roteiros e desenhos de cena do cinema que pretende realizar. Está sempre se inspirando nas obras de Ariano Suassuna e já realizou dezenas de exposições, de ilustrações de livros, de cenários de peças de teatro.

Satyro Marques: Nasceu em Alagoas e, quando veio servir no Recife como dentista da Aeronáutica, se tornou amigo dos colunistas sociais, que apoiaram sua primeira exposição, na antiga Galeria Firenze, em 1972. Todas as suas telas tinham como tema cavalos e logo se tornaram o maior sucesso. Depois, foi morar no Rio, onde fez uma carreira de sucesso.

MAIS NOTÍCIAS DO CANAL

Dissonâncias cognitivas e narrativas

15/08/2022 às 03h00

Dia da Imigração Chinesa sublima a amizade dos dois povos

15/08/2022 às 03h00

O arco-íris

13/08/2022 às 03h00

IPCA negativo

13/08/2022 às 03h00

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

12/08/2022 às 03h00

O Dia dos Pais e suas controvérsias

12/08/2022 às 03h00

A insensatez dos extremos

11/08/2022 às 03h00

Apostas esportivas - decreto, eleição e religião

Em ano de eleição, em que a macroeconomia e a condução política são mais importantes que uma reflexão técnica advinda de um setor que há quase 04 anos espera seu regramento, aproveitar os meses que antecedem outubro para refinar os estudos e aperfeiçoar o conteúdo do Decreto seriam tão produtivos quanto não invocar essa pauta até o pleito, mantendo o apoio cristão-conservador intocável

11/08/2022 às 03h00

Pró-Criança 29 anos

10/08/2022 às 03h00

"Cristo vive! Somos suas testemunhas"

10/08/2022 às 03h00

Metaverso: como esse novo ambiente pode mudar nossas vidas

09/08/2022 às 03h00

Os desafios do advogado contemporâneo

09/08/2022 às 03h00

Quem brinca com Uma Só China acaba se queimando

08/08/2022 às 03h00

Sem medo de ser feliz

08/08/2022 às 03h00

De vascaínos de antigamente

06/08/2022 às 03h00

Hora de governos regenerativos

06/08/2022 às 03h00

Os teatros do Recife: de ontem e de hoje

05/08/2022 às 03h00

O Recife na rota do caos climático

05/08/2022 às 03h00