Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
As relações públicas e os relações-públicas

Giovanni Mastroianni
Advogado, administrador e jornalista

Publicado em: 03/12/2021 03:00 Atualizado em: 03/12/2021 06:04

Dois de dezembro é a data decretada pelo Congresso Nacional, através da Lei n.º 7.194, de 14 de junho de 1.984, promulgada e sancionada pela Presidência da República, em que se instituiu o Dia Nacional das Relações Públicas. Expressão originária do inglês public relations, “relações públicas são os métodos e atividades empregados por um indivíduo ou uma organização, a fim de promover relacionamento favorável com o público em geral.” O profissional que desenvolve suas atividades nessa área da comunicação social é, pois, cognominado de “relações-públicas.” E aqui surge logo uma dúvida: por que grafada, agora, com hífen? Expressa o Dicionário de dificuldades da língua portuguesa, editado por Domingos Paschoal Cegalla, única e somente “quando se quer denominar o profissional que trabalha no setor de relações públicas”. Assim, subentende-se que a Lei promulgada consagrou a data, estabelecendo que “as associações e entidades ligadas à atividade de relações pública farão, em todo o País, promoções que, de qualquer modo, assinalem e festejem o transcurso da efeméride”, referindo-se, explicitamente, às atividades de relações públicas, omitindo, portanto, o sinal gráfico, que marca a união de elementos numa palavra composta, por não fazer alusão, diretamente, ao relações-públicas e sim ao exercício da especialidade, sem que isso traga qualquer demérito ao profissional, que é, e sempre foi, reconhecidamente, digno de todos os encômios e indispensável em quaisquer organizações. Quanto à escolha de 2 de dezembro para as comemorações é sobejamente sabido que se deve ao fato do patrono das Relações Públicas, no Brasil, o alagoano, de Penedo, Eduardo Pinheiro Lobo, haver nascido nessa data, em 1876, tendo falecido, em São Paulo, em 15 de fevereiro de 1933. Uma homenagem póstuma, portanto.

Em Pernambuco, não se pode olvidar o pioneirismo do saudoso professor Francisco Hygino Barbosa Lima, o primeiro a oferecer o curso de Relações Públicas em todo o Norte e Nordeste do país, após fundar,  em 1967, o Centro de Relações Públicas de Pernambuco, entidade mantenedora da Escola Superior de Relações Públicas, que, paralelamente, instituiu o curso de Secretariado e, anos depois, implantou a pós-graduação, latu sensu, de Comunicação Social Aplicada, Turismo e Hospitalidade, Relações Públicas no Cenário de Negócios e Secretariado Executivo.

Tive a honra de, durante mais de quinze anos, dirigir a Escola Superior de Relações Públicas, a tão querida ESURP, que diplomou eminentes profissionais, muitos deles ainda exercendo suas atividades nas mais consagradas empresas da região e outros, como um ex-presidente do Diario de Pernambuco, já aposentado e que, graças ao título em referência conquistado, ingressou em diversos cursos superiores, inclusive no de Direito, como portador de diploma. Lamentavelmente, tive a triste notícia, após me afastar da direção, de que a ESURP, por determinação do MEC, encerrou suas atividades, definitivamente.

Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco