Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Facepe bate recorde histórico de investimentos e está na contramão do Brasil nos investimentos em CTI

José Fernando Thomé Jucá
Presidente da Facepe

Publicado em: 30/11/2021 03:00 Atualizado em: 29/11/2021 22:49

Os cortes bruscos no orçamento de pesquisas em Ciência e Tecnologia podem comprometer o desenvolvimento do país. Como impacto imediato desta política em curso já podemos perceber que a carreira de jovens cientistas brasileiros está em xeque. Um verdadeiro descaso e um desperdício ao potencial do Brasil. Apesar das dificuldades impostas pelo cenário nacional, a Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia de Pernambuco - Facepe tem somado esforços que são um contraponto a esta complexa realidade. Somente este ano, foram lançados 30 editais, dos quais, 14 foram desenvolvidos pela Diretoria Científica do órgão e, os outros 16, pela Diretoria de Inovação, representando um orçamento de R$ 78 milhões.

Desse valor aportado, R$ 71 milhões foram oriundos do governo do estado e, os R$ 7 milhões restantes, oriundos de parcerias firmadas com diversos órgãos parceiros da Facepe.  Com o investimento, foram contemplados projetos de pesquisa e desenvolvimentos, que abordam temas de estudos sociais à tecnologia de ponta, com recursos que foram liberados sob a forma de subvenção econômica às empresas à infraestrutura laboratorial.

Os editais na área social merecem destaque, em relação ao momento que vivemos no pós-pandemia. Nesta área foram realizados editais para estudos de combate à pobreza, às desigualdades raciais e de gênero, mulheres inovadoras, além do apoio ao terceiro setor, onde foram aportados R$ 5,6 milhões. No que se refere à Covid-19, a Facepe fomentou aquisições de equipamentos capazes de processar testes em larga escala e estudos clínicos em parceria com universidades, centros de pesquisa e Secretaria Estadual de Saúde em Pernambuco.

Nossos olhares também se voltaram para os jovens pesquisadores e, para apoiá-los, lançamos o edital de Auxílio a Projetos de Pesquisa, um investimento na ordem de R$ 5 milhões. Isso sem falar no apoio aos laboratórios multiusuários, um aporte que fizemos de R$ 10,9 milhões, por meio de um novo edital, além dos recursos destinados as bolsas de iniciação científica (BIC) e de incentivo acadêmico (BIA), que somaram R$ 4,8 milhões em 2021. Atualmente o total de bolsas implantadas na FACEPE é de 3.800, em todas as modalidades, gerando uma folha mensal de R$ 4,5 milhões. Tudo isso por acreditar na capacidade do jovem pesquisador que é, sem sombra de dúvida, a aposta do futuro promissor para Pernambuco e para o país.

Interiorizamos nossas ações, por achar de extrema importância fazer chegar projetos e investimentos para todos, do Sertão ao Cais, sem nenhuma exclusão e, aí, mais um edital foi lançado para os jovens. Dessa vez, voltado para as prefeituras do interior que tiveram a oportunidade de ter um bolsista capaz de trabalhar na solução dos problemas surgidos no município. Neste sentido 30% das bolsas de mestrados das instituições de Pernambuco foram destinadas a estudos demandados pelas prefeituras do interior em parceria com as instituições de ensino e pesquisa (ICTs) localizadas nas diferentes regiões do Estado. Estas bolsas ampliarão os recursos humanos qualificados nas prefeituras e permitirão desenvolver estudos necessários ao desenvolvimento daquele município. Um total de 130 bolsas de estudos foram destinadas só para atender esta ação. Em relação aos investimentos da Facepe no interior, este ano foram aportados 35% do total de investimento em inovação e 20% de projetos e bolsas de P&D.

Foi um ano de muitas conquistas e feitos pensando na sociedade pernambucana. Com muito trabalho, conseguimos superar nossas metas e investimentos quebrando nosso próprio recorde, em números de editais e volume total de recursos aportados na C&T de Pernambuco. Mais que números, os dados da Facepe em 2021 revelam que somente a produção de conhecimento e a ‘crença’ na Ciência & Tecnologia como política pública são capazes de proporcionar redução de desigualdades, desenvolvimento socioeconômico e bem-estar.

Morre Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo
Manhã na Clube: entrevistas com André de Paula (PSD), Eduardo Cavalcanti e Epitacio Rolim
OMS: é possível encerrar fase aguda da pandemia este ano
Manhã na Clube: entrevistas com Carlos Veras (PT), Frederico Menezes e Marlon Malassa
Grupo Diario de Pernambuco