Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
90 anos em defesa dos médicos de Pernambuco

Claudia Beatriz Andrade
Presidente do Simepe (gestão de 2019 e 2022)

Publicado em: 14/10/2021 03:00 Atualizado em: 14/10/2021 05:55

A história se escreve com alguns médicos que dedicaram parte de suas vidas, conciliando esta atividade com o exercício profissional, para lutar e ajudar a categoria no estado de Pernambuco.  São fatos e acontecimentos que iniciaram no dia 14 de outubro de 1931, quando 33 médicos, dentre eles, Barros Lima, Edgar Altino, Ageu Magalhães, Geraldo Andrade e Jorge Lobo, fundaram o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), que teve como primeiro presidente o professor João Marques.

O Simepe é o segundo sindicato de medicina mais antigo do Brasil e, ao longo de sua existência, a entidade enfrentou várias crises políticas, econômicas e sociais. Sempre lutando pelos interesses da categoria, além de defender o serviço público e melhorias das condições de trabalho, o sindicato busca continuamente a valorização da classe médica e os princípios da medicina, pautada pela relação médico-paciente e sua autonomia.

É importante ressaltar que o Simepe viveu 21 anos de ditadura militar. Na época, os militares desapropriaram as instalações do sindicato - prédio que ficava em frente ao Parque 13 de Maio, onde a entidade funcionava. Todos os documentos, e o único birô, foram jogados na rua. Nessa ocasião, o sindicato foi acolhido na Sociedade de Medicina, onde passou a atuar. É necessário também referenciar a importância dos advogados Geraldo Neves e Élio Siqueira para a representação classista, em meio à década de 1960, quando entraram na Justiça, em favor dos médicos.

Após a ditadura, o Simepe passou por uma fase de dificuldades, quando no ano de 1992 uma junta governativa assumiu as rédeas da gestão no decorrer de seis meses. A partir de então, registramos sucessões de direções que vêm impulsionando a entidade até os dias atuais, atingindo reconhecimento para além do estado e  sendo referência, por suas lutas e conquistas, a nível nacional.

Em sua constante batalha, a entidade vivenciou grandes conquistas. Uma delas foi em 2007, quando a categoria, desmotivada por longos anos sem aumento salarial, fez registro do maior movimento médico do estado. Médicos pediram demissão, e após dupla negociação com o governo, cativou expressivo reajuste salarial, ganhos na gratificação de plantão, além de um Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) exclusivo para a categoria.

É inegável essa longa caminhada que completa 90 anos nesta data, em um momento em que vivenciamos a maior crise sanitária do planeta. São 18 meses de superação para todos os médicos que, mostrando o seu compromisso social, venceram seus medos, buscando conhecimento em tempo real, para zelar pelos seus pacientes. A categoria viveu angústias e conquistas diárias; sentiu todos os frutos na pele. Uma classe que, com muita maestria e força enorme, salvou muitas vidas e amenizou muito sofrimento.

O Simepe esteve presente diariamente com os médicos do estado, cobrando Equipamentos de Proteção Individual, vínculos formais, proteção para os grupos de risco, além de lutar contra a redução salarial, acolhendo o médico. Durante esta luta, o sindicato lamentou a perda de vários colegas/amigos, destacando o dr. Assuero Gomes, diretor da entidade, que faleceu devido à Covid-19.

Apesar das dificuldades, seguimos como guarda avançada e o Simepe continua sendo símbolo de luta, resistência e referência em todo o país, construindo movimentos reivindicatórios, atos públicos, manifestações, greves e paralisações que mantiveram sua fidelidade ao conceito de ser um sindicato independente, autônomo e combativo. Nunca ficamos calados nem omissos aos desmandos e ao sucateamento da saúde pública, bem como ao descaso e abandono dos hospitais públicos, das maternidades, postos de saúde, Upas e Upinhas.

O Simepe é um jovem guerreiro que não foge da luta, não descansa e está sempre atento em sua renovação constante. É com a união e participação dos médicos e médicas que seguiremos com força, coragem e vigor, empunhando a bandeira simepiana rumo ao nosso centenário.

Eu, Claudia Beatriz, parabenizo a todos os médicos do estado por fazerem do sindicato este grande instrumento de luta e agradeço imensamente a oportunidade de contribuir com essa história, sendo a terceira mulher presidente da entidade ao longo dos seus 90 anos de existência.

Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Grupo Diario de Pernambuco