Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
O cidadão do mundo e o nordestinado

Michel Zaidan
Professor-titular da UFPE (aposentado). Coordenador do Núcleo de Estudos Eleitorais, Partidários e da Democracia da UFPE

Publicado em: 22/09/2021 03:00 Atualizado em: 21/09/2021 22:55

Toda vez que penso no “homem telúrico” de Raquel de Queiroz,  lembro de Josué de Castro e Paulo Freire. Enquanto Gilberto Freyre e os armorialistas declaravam seu amor  à “terra esturricada” do Nordeste, e transformaram  a necessidade  em virtude, às custas de uma estetizacao do atraso. Da cocada, do alfinim ou do bolo de Souza Leão, esses pernambucanos ilustres tornaram-se cidadãos  do mundo. Exilados de sua terra nordestina, foram trabalhar para a emancipação da humanidade  pobre e sofrida.  Paulo Freire  foi trabalhar para o Conselho Mundial das Igrejas, em Genebra, e implantar projetos de alfabetização  nos países do Terceiro Mundo, do qual resultaram suas obras-primas  sobre a educação dos oprimidos - Educação como prática da liberdade e Pedagogia do Oprimido.

Educação como projeto político-pedagogico, não só  pedagógico  (letramento). A incorporação  dos saberes do mundo ao processo. Educativo, transforma  a escola  num meio de socialização  política extraordinária.

A obra freriana me serviu de  inspiração,  na assessoria  da Secretaria de Educação municipal, na gestão de Edla Soares. As noções de cidadania  ludens ou cidadania vox  foram diretamente influenciadas  pela Pedagogia do Oprimido. Quando fiz uma espécie de agenda pedagógica para o “programa do protagonismo juvenil”, da Secretaria Estadual de Educação, na época de Mozart Neves Ramos, recolheu das sugestões freireanas muitas ideias.  A questão da cotidianeidade, da cultura popular, ler a escrita do mundo, e a aprendizagem como reescrever ou mudar essa escrita  do mundo, são produto direto de Paulo Freire. Embora não concordadasse integralmente com os pressupostos filosóficos  (humanistas católicos, fenomenológico e existencialista cristãos)  do autor, soube valorizar  muito a ambientação  social  e política da sua pedagogia.

Já de Josué de  Castro, a sugestão  do caranguejo com cérebro, antenado com o mundo é  uma imagem poderosa. O humanismo cosmopolita, a cidadania planetária, o cidadão do mundo.

Baixas na equipe de Guedes
Trump anuncia planos para lançar nova rede social
Manhã na Clube: entrevistas com Teresa Leitão (PT), Fernandes Arteiro e José Teles
CPI da Pandemia recomenda indiciamento de Bolsonaro
Grupo Diario de Pernambuco