Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Pernambuco e o Japão: o baião japonês de Keiko Ikuta

Rafael Cavalcanti Lemos
Juiz de Direito do Tribunal de Justiça de Pernambuco. Fellow of the Royal Asiatic Society of Great Britain and Ireland. Membro do Instituto de Estudos da Ásia da Universidade Federal de Pernambuco

Publicado em: 04/03/2021 03:00 Atualizado em: 04/03/2021 06:00

Antes de que o Rio de Janeiro exportasse brasilidade com a bossa-nova, um ritmo permeado pelas novenas do Sertão araripense pernambucano, descendente instrumental da chula portuguesa e personificado num carismático e exótico (aos olhos do restante do país) filho de Exu representava musicalmente o Brasil, surpreendendo e embalando o mundo.

Popularizado por Luiz Gonzaga, o baião atingiu diversas nações, dentre elas a japonesa, que o cantou vernacularmente nos anos 1950 na voz de Keiko Ikuta em versões de Kikuo Furuno (gravadas em nossa então carioca capital) para Paraíba (nos 2000 também na voz de Miho Hatori) e Baião de dois.

Um dos fundadores da paulistana e sexagenária Aliança Cultural Brasil-Japão, Furuno, em parceria com o cearense Humberto Teixeira, chegou inclusive a compor um Tokyo Baião, pela mesma intérprete cantado. (a título de curiosidade não relacionada, uma freguesia de nome Teixeira integrava até 2013 o município português de Baião.)

Bem sabidas na língua original as demais canções, dá-se a conhecer em português (possivelmente pela primeira vez) apenas a última (canção), “texto poético” – esclarece a tradutora, Emi Sugahara – sobre “as mulheres que trabalham em casas noturnas em Ginza”: “Mesmo com a chegada da primavera ou do verão / Ginza sempre com o seu neon vermelho / E com o sussurro de um doce som do violão / Lembrança de acácias balançando suavemente / Estes são os impulsos do amor neste momento / Baião de Tóquio. // Esconde nos cílios falsos uma lágrima / São como cardos que floresceram na noite de Ginza / A luz fraca no peitoril da janela / O vestido roxo brilha instantaneamente / Os sonhos são tristes estrelas cadentes / Baião de Tóquio. // Tanto o neon vermelho como o neon azul / São sinais do amor de Ginza que dança / Para a névoa de tristeza do lugar / Sinto o aroma das lembranças do cardo / Vida frágil da flor da noite / Baião de Tóquio”. Ginza é um distrito de Chuo, região especial da metrópole de Tóquio.

Como prova de vitalidade do ritmo, agora sob o rótulo amplo de world music, foi lançada, em 25 de outubro de 2019, por Adriana Sanchez e a oquinauana banda Begin, versão japonesa (cantada em seguida à letra original) do clássico teixeiro-gonzaguiano Baião nas plataformas digitais Spotify, Apple Music, iTunes e Deezer.

Fontes:


Eu vou contar pra vocês e Dicionário gonzagueano, de Assis Ângelo.

Forró pé-de-serra: descompasso entre letra e música (monografia), de Ibrantina Guedes de Carvalho Lopes.

Pequena história da música popular: da modinha à canção de protesto, de José Ramos Tinhorão.

Miho Hatori mostra mistura de pop, eletrônica, rock, música brasileira e canta forró em japonês (UOL Música).

Baião, de Luiz Gonzaga, ganha versos em japonês” (blog de João Alberto).

Diário da República [Portuguesa] de 28 de janeiro de 2013.


Metade da população adulta nos EUA já tomou ao menos uma dose de vacina contra Covid
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 19/04
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Resumo da semana: STF mantém anulações de sentenças contra Lula, mais jovens em UTIs e CPI da Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco