Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
O escritor intranquilo

Marcelo Alves Dias de Souza
Procurador Regional da República. Doutor em Direito (PhD in Law) pelo King's College London - KCL

Publicado em: 27/01/2021 03:00 Atualizado em: 27/01/2021 06:42

Graham Greene (1904-1991), o escritor, nasceu em Berkhamsted, uma pequenina e histórica cidade mercado do interior da Inglaterra. Tentou ser comunista. Acabou católico. Estudou em Oxford. Foi jornalista. Trabalhou para o serviço secreto inglês, especificamente para o MI6. Inquieto, alegadamente bipolar, viajou muito. México, Cuba, Haiti, América do Sul, África, Indochina e outros sítios menos votados. Fez do contexto social e político desses países/regiões o pano de fundo de algumas de suas estórias. Prolífico, escreveu quase tudo: romances, contos, livros infantis, teatro, cinema, crônicas, crítica literária e por aí vai. Alguns de seus romances, publicados no Brasil, são sempre celebrados: O Expresso do Oriente (1932), O Poder e a Glória (1940), O coração da matéria (1948), O americano tranquilo (1955), Nosso homem Havana (1958), O cônsul honorário (1973) e O Fator Humano (1978), entre outros. Para o cinema, O ídolo caído (1948) e O terceiro homem (1949) são obras-primas. Premiadíssimo, Grenne, infelizmente, não levou o Nobel de Literatura. Mas Jorge Luis Borges (1899-1986), seu concorrente de então, também nunca ganhou. Paciência. Aclamado, Greene faleceu, de leucemia, aos 86 anos.

Numa modéstia indevida, Graham Greene gostava de dividir a própria obra em escritos de entretenimento e trabalhos literários. Discordo veementemente. Greene foi sem dúvida um dos grandes romancistas do século passado, talvez até o maior, em língua inglesa, de sua geração. Na verdade, como poucos, ele misturava espionagem, suspense, política, pitadas de filosofia e religião, romance e outros pecados mais, numa prosa elegante, irônica e imaginativa. Isso é escrever bem. Fazer literatura das boas. E se prende ou diverte a gente, melhor.

Na edição que tenho de O fator humano (L&PM, 2006), por exemplo, diz-se ser esta “uma obra de maturidade de Graham Greene, um dos mais prolíficos e importantes romancistas de língua inglesa do século 20 que, junto com John Le Carré, alçou as histórias de espionagem a um novo patamar literário. Com sua prosa elegante, Greene medita sobre a força do amor e do segredo – e sobre os sacrifícios por eles exigidos. À leitura deste romance, mais uma vez fica claro que há boa literatura, há literatura de entretenimento e há Graham Greene, que eliminou a linha divisória entre as duas. Ele prende o leitor com seus enredos, mas sobretudo com sua caracterização de personagens, pintados com uma profunda compreensão e respeito pelas ironias, ambiguidades e vastas zonas obscuras da alma humana”. É isso.

De minha parte, tenho predileção por algumas obras de Greene. O enredo/filme O terceiro homem, uma de suas parcerias com o diretor Carol Reed (1906-1976), é uma delas. Obra-prima que, dado o mistério da estória, a falsificação de penicilina numa Viena devastada do pós-guerra, tem muito a ver com os dias de hoje. Criminosos e charlatões sempre vão existir. Em guerras ou em pandemias. E os romances O americano tranquilo, Nosso homem Havana e O cônsul honorário, que li por sugestão de meu pai, tomados emprestados e devolvidos à sua biblioteca. Foi divertidíssimo. Bons tempos.

Um carinho especial desenvolvi por O americano tranquilo, cuja estória se passa na Indochina, em meio à guerra anticolonialista contra a França e já com os Estados Unidos metendo o seu bedelho no Vietnã. Tem-se um jornalista inglês, que narra a coisa toda. Um agente da CIA, o “americano tranquilo”. Uma jovem e bela vietnamita. E um triângulo amoroso. Paro por aqui, para não fazer spolier, apenas registrando que o livro foi adaptado para o cinema duas vezes, sendo que a versão de 2002, direção de Phillip Noyce (1950-), é do balacobaco. Foi indicada e recebeu vários prêmios.

Covid longa preocupa OMS e desperta desafios
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 25/02
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco