Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Marcela escreve com o sentimento da frase

Raimundo Carrero
Membro da Academia Pernambucana de Letras

Publicado em: 06/01/2021 03:00 Atualizado em: 06/01/2021 06:01

O que surpreende, imediatamente, neste livro da jovem, ainda muito jovem escritora mineira Marcela Dantés, é a maturidade de quem entendeu muito cedo que escrever ficção é o rito sagrado de encontrar no seu silêncio o sentimento da frase. Isto mesmo, escrever ficção é a revelação da alma, não pode parecer, sequer parecer com redação escolar.

O romance Nem Sinal de Asas, publicado pela Editora Patuá, São Paulo, conta o sentimento – e não a história – de Anja, a  quem faltam as Asas -, com uma habilidade que é puro coração e alma. Vem daí a paixão das frases, da união das palavras. Enfim, o sentimento.

Leiam agora, por favor, é ela, é a narração com a voz que vem de Marcela, a que escreve, mas não conta: ”Nunca usou diminutivos em excesso ou aquela voz desafinada que algumas pessoas pareciam achar que era o único som que crianças como Anja eram capazes de entender.”

Assim mesmo, o autor ou autora não pode assumir o lugar do personagem ou da personagem que conhece a intimidade do texto. Um equívoco enorme. A intimidade do texto é do/da personagem cuja vida está em jogo. Portanto, é dele ou dela, o sangue e o suor.

Uma verdade que poucos procuram entender: O autor/a não é o narrador, portanto não se meta; sem adjetivos inconsequentes e barulhentos; sem tempos verbais óbvios; sem frases vaidosas; o narrador/a é um/uma personagem escolhido pelo autor para abrir portas com a chave mágica.

Assim, é um sentimento, uma melodia que termina por contar uma história,  se é uma história que a gente quer ler. Seja feita a vossa vontade. Marcela parece dizer. E acrescenta, mas isto aqui não é  um jornal, não tem notícias, tem vida. Duas grandes escritoras brasileiras alcançam este efeito: Clarice Lispector e Hilda Hilst.

Marcela Dantés conhece tudo isso. E usou estas ferramentas para escrever este livro – Nem Sinal de Asas – que é uma lâmina cortando a pele do leitor. Não é um romance, não é uma novela, é o sangue escorrendo nas veias. Quem viver, leia.

Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Resumo da semana: toque de recolher em PE, suspeitas de síndrome rara  e vacina aprovada
Atividades não essenciais proibidas em Pernambuco todo das 22h às 5h
Unicap inova em plena pandemia e transforma centros acadêmicos em escolas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco