Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Uma fábrica de cidadania no Recife

Glauce Medeiros
Secretária da Mulher do Recife

Publicado em: 30/09/2020 03:00 Atualizado em: 30/09/2020 07:12

Depois de três anos de atividades, um dos programas sociais mais importantes da Secretaria da Mulher do Recife, o Hoje menina, amanhã mulher (denominado de Empodera a partir da segunda fase, quando passou a incluir meninos) foi concluído neste mês de setembro. Realizado em parceria com o Unicef, Centro de Mulheres do Cabo e Embaixada dos Estados Unidos, o programa apostou na transformação de adolescentes em cidadãos capazes de promover mudanças em uma sociedade diversificada e multicultural, para fazer prevalecer o respeito às diferenças.

Ao longo desse tempo, 210 meninas e meninos de 12 a 18 anos, todos estudantes da rede pública de ensino, fortaleceram sua identidade, elevando a autoestima, e se apropriaram de conceitos como empoderamento feminino. Também compreenderam a importância da igualdade de gênero e da igualdade racial como condições indispensáveis para a construção de uma sociedade verdadeiramente democrática e diversificada.

Em um segundo momento, pensaram políticas públicas destinadas à melhoria de suas comunidades e desenvolveram habilidades para conseguirem se articular em rede, recebendo orientações sobre o direito à comunicação, aí incluída a internet. Depois de se apropriarem desses conceitos, meninas e meninos saíram das salas de aula e foram para as ruas, exercitando a cidadania com a participação em eventos como o Dia Internacional da Mulher. Também se envolveram em atividades de preservação ambiental e tiveram encontros com gestores públicos.

O diferencial desse projeto, no Recife, segundo avaliação dos parceiros, foi a participação efetiva do poder público municipal. A adesão da prefeitura garantiu não somente os locais para a realização das oficinas (nos Compaz Ariano Suassuna e Eduardo Campos e no Centro da Mulher Metropolitana Júlia Santiago), mas o envolvimento de servidores na mobilização e acompanhamentos dos adolescentes.

O Empodera – Hoje menina, amanhã mulher se constituiu numa fábrica de cidadãos e cidadãs que vão conseguir enxergar a sociedade a partir da perspectiva da igualdade de gênero, igualdade racial, respeito à diversidade, tolerância religiosa e valorização da cultura. Não só esses meninos e meninas foram tocados pelo projeto: eles tornaram-se multiplicadores de uma cultura de paz e de igualdades de direitos em suas comunidades, espalhando as sementes para a construção de um mundo mais justo e igualitário.

Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco