Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Das colas na minha turma

Vladimir Souza Carvalho
Magistrado

Publicado em: 19/09/2020 03:00 Atualizado em: 19/09/2020 07:04

A turma, bem heterogênea, uns poucos vindos diretamente do curso secundário, a espantosa  maioria de adultos, casados, uns diplomados em Economia, outros em Licenciatura disso e  daquilo, algumas mães que, talvez, filhos crescidos, encontravam tempo para fazer o curso  superior, dois sacerdotes e um fiscal de renda estadual que tinha Bispo no nome e nunca chegou  a cardeal. Entre as mulheres, uma, em especial, com muita pose e joias, a exibir uma nobreza  industrializada. Essa a turma que começou o ano de 1969, na Faculdade de Direito de Sergipe, e, na quase totalidade, terminou o curso em 1973. Eu, no meio.  

Entre tantos acontecimentos, à arte de colar, requisito no qual, apesar de não ter sido tão santo  assim, sobretudo em matemática, nos tempos do ginásio, me deixou de boca aberta. Não  batizemos as duas mulheres que mais colavam, mesmo porque já partiram para o além há muitos anos e não deram trabalho no fórum. Acho até que por lá nunca pisaram. Fiquemos só no fato e em alguns detalhes. As colas eram anotadas em diversas tiras de papel, e, pasmem os que estão a  ler essas linhas, eram pregadas nas pernas, precisamente, nas coxas, com o cuidado de se sentarem  ao lado da parede, a fim de poderem consultá-las sem serem vistas por nenhum colega, nem pelo  professor. Confesso, sem ter ficha limpa, que me espantei, ainda no primeiro ano, com a maestria  de algumas colegas, justamente, as mais velhas, mães de família, etc. e etc.  

Era ter teste e as pernas daquelas eminentes senhoras se enchiam de tiras de papel, como se fossem  enfeites de baile de São João, até onde a discrição determinava. Eu assim afirmo porque, um dia,  distraidamente, cheguei a ver. Portanto, não é invenção alguma de minha parte. Papeis curtos, a  depender da matéria e dos pontos, sobretudo em direito civil, a letra, bem miúda e legível, onde  os pontos do teste se fixavam para, se deprecado, poderem ser utilizados.  

Tudo passou em brancas nuvens. Não ocorreu prisão em flagrante delito, nem instauração de  inquérito policial. Contudo, um dia, um colega, bem espirituoso, João Emílio, viu Diana se  preparando para o banho. Ou seja, viu as pernas da colega salpicadas de colas. Aí, falou alto, a  ponto dos escribas anotarem: Quem me dera ser um gato ... para comer essas pelancas. 

Rhaldney Santos entrevista Dr Carlos Romeiro, ortopedista
Rhaldney Santos entrevista Celso Muniz (MDB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #181 - Tiops de rins dos vertebrados
Rhaldney Santos entrevista Dr. Felipe Dubourcq, urologista
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco