Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Pandemia, Covid-19 e coronavírus

Giovanni Mastroianni
Advogado, administrador e jornalista

Publicado em: 07/07/2020 03:00 Atualizado em: 07/07/2020 06:39

No início, ainda em 2019, quando do surgimento, na China, das primeiras pessoas infectadas pela Covid-19, admitia-se, apenas, tratar-se de um surto, cuja denominação é dada quando alguns casos de doença acontecem em uma mesma região. Em face do crescente número de ocorrências virais, a OMS – Organização Mundial da Saúde –, em 11 de março do ano em curso, declarou, publicamente, que a infecção pelo novo coronavírus era uma pandemia e, em assim sendo, por certo, atingiria outros países, como realmente ocorreu.

Os meios de comunicação, imediatamente, trataram de divulgar o fato, no intuito de alertar as populações de todo o mundo quanto aos perigos que estavam prestes em ser acometidas, caso não fossem respeitadas as recomendações médicas, vez que ainda não existia uma vacina salvadora.

Embora, em pouco tempo, as estatísticas das vítimas tenham sido e ainda seguem alarmantes mundialmente, inclusive no Brasil, país que ocupa o lugar de um dos mais atingidos pelo novo coronavírus e, como consequência, registra maiores vítimas, no que tange ao número de infectados, como de mortes, não destacarei quantitativos de atingidos, internados, curados ou óbitos, que se alteram a cada 24 horas.

Conforme título deste artigo, minha intenção é distinguir as diferentes expressões que, a todo instante, são ouvidas e/ou vistas nos noticiários.

Enquanto pandemia é uma enfermidade epidêmica de disseminação muito ampla, que se alastra geograficamente, saindo de sua origem e se espalha em todo mundo, como agora ocorre, é bem mais grave que epidemia – surto de uma doença, também infecciosa e contagiosa, que atinge muitas pessoas de uma  mesma região ao mesmo tempo.

Por sua vez, Covid-19 é a doença causada pelo novo coronavírus, o SARS-COV-2. Como os primeiros registros da doença ocorreram em 1º de dezembro de 2019, em Wuhan, na China, comprovados em hospital, em 12 do mesmo mês e ano, surgiu a denominação de Covid-19, embora suas consequências só tenham sido destacadas no fluente ano.

E a denominação coronavírus? Não é uma designação atual e o nome tem origem latina: corona e vírus. Corona significa coroa. É vírus que causa infecções em animais e no homem. Quando visto, através de microscópios eletrônicos, assemelha-se a coroas, daí seu nome.

É de bom alvitre esclarecer que ao surgimento de alguns dos seguintes critérios clínicos deve-se consultar, imediatamente, profissional de saúde para um diagnóstico médico e aconselhamento: dificuldade ou desconforto respiratório, geralmente associado à febre ou apenas sensação febril, além de tosse, dor de garganta e coriza. As prevenções: distanciamento social, lavagem das mãos com água e sabão, uso de máscaras, entre outras, são indispensáveis.

Comerciantes de praias do estado protestam em frente ao Palácio
Grande explosão atinge Beirute, capital do Líbano
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura do Recife  Paulo Rubem
Aumenta tensão entre o STF e o Facebook por conta de ordem de exclusão de perfis
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco