Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
A Grande Revolução

José Soares Filho
Desembargador do TRT da 19ª Região e professor da Unicap

Publicado em: 14/07/2020 03:00 Atualizado em: 14/07/2020 06:15

Catorze de julho evoca acontecimento de suma importância na história, qual seja a queda da Bastilha, em 1789, que marcou o início da Revolução Francesa. É a data nacional da França. É de notório saber que essa revolução teve repercussão fundamental nos destinos da humanidade, nos múltiplos aspectos da vida - político, econômico, social, cultural, entre outros -, tanto assim que a data de sua eclosão (14 de julho de 1789) é o marco divisório entre a Era Moderna e a Era Contemporânea.

Significativo, nesse aspecto, é o tom profético com que o famoso poeta Goethe, ao assistir à Batalha de Valmy, pronunciou-se: a partir de hoje, deste lugar, começa uma nova era na história do homem. Ali, confrontaram-se, de um lado, uma frente composta por tropas prussianas, austríacas, hessianas e emigrados, sob o comando de Karl Wilhelm Ferdinand, Duque de Brunswick, que invadiu a França com o intuito de barrar o movimento revolucionário recém-instaurado; e, de outro lado, os exércitos franceses, cujas fileiras eram preenchidas por muitos voluntários com pouca ou nenhuma experiência, mas movidos por um espírito nacional e um fervor revolucionário incomum. Apesar de sua inferioridade bélica, as tropas francesas, aos gritos de “Vive la Nation!” e “Vive la France!”, marcharam contra as invasoras, fazendo-as recuar e, assim, vencendo a batalha.

A Revolução Francesa, inspirada nos ideais do Iluminismo, foi tão abrangente que compreendeu quatro distintas revoluções. Uma, a revolução burguesa: a burguesia era uma categoria social esclarecida, visto como portadora de razoável instrução. Outra, a revolução operária, que congregava a massa de trabalhadores urbanos, sem instrução, a qual viria a tornar-se uma grande força na República Jacobina. Outra, a revolução camponesa, cujos integrantes eram analfabetos, mas nem por isso menos importantes. Outra, a revolução feminina, caracterizada pela participação de mulheres, fato esse que pode ser considerado o despontar do movimento feminista.

Destaquem-se, quanto à revolução feminina: as mulheres presentes às assembleias, que, enquanto faziam seu tricot, pressionavam os membros destas para que agilizassem as medidas de socorro à população sofrida; Charlotte Corday, que assassinou, com golpe de navalha, em sua banheira, o revolucionário Marat, que se notabilizou como redator do jornal L’Amie du Peuple (O Amigo do Povo); Olympe de Gouges, autora de um projeto de Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã, que não se efetivou (paradoxalmente, ela foi executada na guilhotina); Théroigne de Méricourt, que participou da tomada da Bastilha e se envolveu profundamente na Revolução. Em 5 de outubro de 1789, Méricourt lidera uma marcha (de uma multidão estimada em 200 mil pessoas), de Versalhes a Paris, conduzindo, sob pressão, o Rei Luís 16, a Rainha Maria Antonieta e o delfim. Demoiselle Théroigne ia à frente, de cabelos negros, com chuço e capacete, levando no cinto vermelho uma pistola e um punhal.

A Revolução Francesa inspirou muitos outros movimentos dessa natureza no mundo ocidental, entre os quais o de libertação e unificação da América espanhola, que teve em Simon Bolívar seu maior chefe; em nosso país, a Inconfidência Mineira e a Confederação do Equador. E produziu a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, precursora da Declaração Universal dos Direitos Humanos, de 1948, da ONU.

Comerciantes de praias do estado protestam em frente ao Palácio
Grande explosão atinge Beirute, capital do Líbano
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura do Recife  Paulo Rubem
Aumenta tensão entre o STF e o Facebook por conta de ordem de exclusão de perfis
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco