Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Prontidão e diligência

Rogério Morais
Secretário Executivo para a Primeira Infância do Recife

Publicado em: 30/05/2020 03:00 Atualizado em: 30/05/2020 06:54

“Quando tinha 7 anos, eu presenciei meu pai tentando matar minha mãe, então eu parti para cima dele. Foi quando ele parou de bater na minha mãe e me jogou na parede... eu já não era mais o filho que ele gostava”.  Este é um dos relatos que o paciente Antônio Feliciano, diagnosticado com a Covid-19, escreveu quando esteve internado por treze dias na enfermaria do Hospital Provisório do Recife 2, nos Coelhos. Aos 58 anos, além dos traumas da violência doméstica, a sua vida foi marcada pela situação de rua, vivenciada desde sua adolescência, que inclui o consumo de drogas.

Durante o seu período de internamento, o típico caderno capa dura, de tamanho grande e cor verde – que recebeu o título de Pensamentos de um menino – serviu de diário e foi o seu instrumento de refúgio emocional. Com um quadro de complicações respiratórias e hipertensão apresentado, além dos cuidados médicos, Antônio recebeu todo acompanhamento dos profissionais da equipe de psicologia e serviço social, que se estendeu até o dia de sua alta.

Este é o relato de um sobrevivente, dos mais de mil, nos sete hospitais de campanha criados pela Prefeitura do Recife durante a pandemia da Covid-19.  E cada vida salva é um infinito, pois não se pesa estatisticamente o valor de uma vida humana. Seu Antônio escreverá novas páginas no seu destino. E essa história somente pôde ter a chance de ter continuidade, devido a duas competências decisivas da reação do município frente aos desafios: prontidão e diligência.

A prontidão de estar atento para montar um comitê de enfrentamento ao vírus ainda em janeiro; de ser a primeira capital a suspender as aulas, antes mesmo da consolidação do consenso sobre a emergência da medida; e das comunicações diárias de forma clara e verdadeira, estabelecendo a confiança que garantiu o comprometimento social necessário da população para termos os maiores percentuais de isolamento.

A diligência de processar contratações de novos profissionais, de adquirir Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e respiradores, articular doações com uma grande rede de solidariedade. Velocidade que, em comparação com outras cidades, aponta para um volume de entregas muito acima da média, de tal maneira que o sucesso para orquestrar soluções despertou uma necessidade de críticas, onde a gana do poder pelo poder se sobrepõe à necessidade de aliança por um progresso compartilhado, pelo bem comum.

O enfrentamento da pandemia é o desafio de governabilidade e prestação de contas mais próximo de uma guerra que vivemos. Agir no caos exige da liderança senso inerente de democracia e a prática amadurecida de princípios ainda incipientes no país do modelo de uma Administração Pública Societal. O bom combate não pode jamais perder de vista a premissa de uma gestão mais social, participativa e focada nas necessidades dos mais vulneráveis, principalmente no país democrático mais desigual do mundo.

Assim, compreendendo que problemas complexos não podem ser solucionados com uma lógica linear cartesiana, entendo que a postura da gestão municipal da Prefeitura do Recife deixará, sob uma análise positiva, sem julgamento de valor particular, exemplos de eficiência e efetividade, medidos não somente por números, mas pelo imponderável direito à vida.

Destaques de 13/07: Protesto por Miguel, partido tenta filiar mortos e corpo de atriz encontrado
Ao vivo com Pedro Guimarães : Auxílio Emergencial e FGTS
Rua do Bom Jesus está no topo do ranking das mais belas, diz revista americana
Destaques da semana: restaurantes vão reabrir, Bom Jesus entre as mais belas ruas e volta do futebol
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco