Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Falta sintonia

Publicado em: 07/05/2020 03:00 Atualizado em: 07/05/2020 04:09

O lugar-comum, tantas vezes repetido, peca pela falta de originalidade. Muitas vezes, porém, se impõe pelo poder de comunicação. É o caso de “uma imagem vale mais que mil palavras”. Criada por Confúcio há quase 2.600 anos, a frase traduz com instantaneidade a mensagem que exigiria dúzias de vocábulos e parágrafos para ser transmitida.

Não raro com o risco de, ao chegar à ponta do receptor, tropeçar no imponderável. Ocorre, então, o que Mário Quintana explicou com fina ironia: “A gente pensa uma coisa, acaba escrevendo outra, o leitor entende uma terceira coisa. E, enquanto se passa tudo isso, a coisa propriamente dita começa a desconfiar que não foi propriamente dita”.

A observação vem a propósito da falta de sintonia entre as ações das autoridades e as urgências da população. De um lado, as filas da Caixa e dos hospitais. De outro, a sucessão de crises, que dispersam a atenção, roubam energia e desviam o foco. Em plena pandemia, que ceifa vidas por atacado, exige isolamento social e cava fosso abissal na economia, criam-se fatos que deixam as emergências em segundo plano.

Nas últimas semanas, sobressaiu a demissão dos ministros da Saúde e da Justiça e Segurança Pública. Também caiu o diretor-geral da Polícia Federal. Agora se fala na queda da secretária da Cultura. Ocupantes de cargos de confiança são demissíveis ad nutum. Assim como entram, saem por vontade do mandatário. O problema é a oportunidade: a coisa propriamente dita de Mário Quintana. São as duas imagens que ganharam nome macabro — filas da morte.

O auxílio emergencial de R$ 600 para socorrer os brasileiros sem emprego formal e sem fonte regular de renda não chega ao destino. O governo calculava 54 milhões de beneficiários, mas eles ultrapassam 70 milhões. São os invisíveis, que mostraram a cara em plena pandemia. Sem organização e sem medidas aptas a atendê-los com a urgência que a fome clama, reprisa-se triste espetáculo dia após dia: milhares de pessoas em filas, sem máscaras e sem a distância obrigatória. A burocracia insensível as obriga a transformar a rua em casa, a calçada em cama.

Sob o olhar indiferente das excelências protegidas nas salas carpetadas da Esplanada, candidatam-se a engrossar a outra fila – a dos pacientes que aguardam uma UTI ou um respirador. Na visita a Manaus, o ministro da Saúde viu a tragédia de perto. O New York Times a estampou na primeira página: centenas de covas abertas por retroescavadeiras. É a imagem que vale mais que mil palavras.

Covid-19: Brasil tem novo recorde diário de mortes
04/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Destaques do dia: Indiciamento por morte de criança, coronavírus reativado e tataravó recuperada
Brasil: produção industrial despenca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco