Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial A OMS e a cloroquina

Publicado em: 28/05/2020 06:00 Atualizado em:

Mais um ingrediente foi colocado no debate sobre a conveniência ou não do uso da hidroxicloroquina no combate à pandemia do novo coronavírus. Agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS) suspendeu estudo global envolvendo 17 países, inclusive o Brasil, sobre a eficácia do medicamento.

A decisão foi do colegiado do organismo internacional, composto por representantes de 10 países, e baseou-se em estudo divulgado pela revista britânica Lancet, uma das mais influentes publicações científicas do mundo, semana passada. A pesquisa constatou que o uso da hidroxicloroquina ou cloroquina em pacientes com coronavírus aumenta o risco de morte e de cardiopatias.

A suspensão da pesquisa capitaneada pela OMS se deu dias depois de o Ministério da Saúde recomendar a prescrição da cloroquina — remédio usado contra a malária e doenças autoimunes — para pacientes em estágio inicial da Covid-19. Contra todas as indicações científicas, o Brasil passou a adotar, oficialmente, no protocolo de tratamento da Covid-19, a cloroquina, o que não é recomendado pela esmagadora maioria da comunidade médica.

Recomendação que tinha provocado a queda de dois ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, por não concordarem com a indicação da droga como salvadora da pátria. Como médicos, sabiam que não havia comprovação sobre os benefícios do medicamento e dos riscos que representa para os enfermos. Depois da indicação do Ministério da Saúde, Mandetta acredita que o número de mortes deve aumentar. Teich, por sua vez, crê que o protocolo federal da cloroquina deve ser revisto, após a publicação do estudo na revista britânica.

Em seu comunicado, a OMS revela que o ensaio clínico internacional, envolvendo 3,5 mil pacientes com Covid-19 de 17 países, está suspenso até que se tenha “uma análise abrangente e uma avaliação crítica de todas as evidências disponíveis globalmente”. Espera-se que, à luz da ciência e das pesquisas, o governo possa voltar atrás, mesmo que temporariamente, em sua iniciativa favorável à prescrição da cloroquina e aguarde uma decisão final sobre a eficácia ou não do medicamento.

Itália proíbe entrada de viajantes brasileiros
10/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Burro invasor de lives faz santuário de animais arrecadar dinheiro
Seminário discute novo marco legal do saneamento básico
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco