Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
A falta que faz um "não sei"

Saulo Moreira
Jonalista

Publicado em: 29/05/2020 03:00 Atualizado em: 29/05/2020 05:39

Em 1998, no ano em que ganhou o Nobel de Litaratura, José Saramago (1922-2010), em entrevista à Revista Cult, falou sobre sua trajetória. Em dado momento, explicou a razão do longo intervalo entre o primeiro e o segundo romance de sua carreira.”...Percebi que não tinha tanta coisa para dizer, nada importante. E me calei, me calei por vinte anos praticamente.”

Penso que a humanidade conseguiria evoluir com mais civilidade e inteligência se todos seguissem o exemplo do escritor português. Mas parece que estamos na contramão da sabedoria de Saramago.

Nunca se viu tanta opinião abobalhada, tanto debate rasteiro, tanta certeza inquebrantável. Todos têm algo a dizer sobre tudo a todo momento. E poucos têm a grandeza de dizer simplesmente “não sei”.

São tempos sombrios, de uma náusea quase permanente.

Hidróxido de cloroquina, azitromicina, confinamento, lockdown e seus efeitos sobre a mente humana. Tem mais. PIB, medidas anticíclicas, formação de preços, câmbio, programas de renda mínima e a recuperação da economia.  E segue o festival de atualidades desprovidas de senso crítico...A estratégia sueca, os números do coronavírus na Argentina, o ciclo de pestes na história da humanidade.

Especialistas de araque se multiplicam sem constrangimento. A ânsia pela aceitação turva o raciocínio, aniquila a humildade.

Com a popularização das redes sociais associada à pandemia da Covid-19, o Brasil ganhou milhões de pretensos cientistas, médicos, economistas, sociólogos, antropólogos. Mensagens e mais mensagens nos chegam a todo momento com explicações lunáticas, análises incompreensíveis, teorias fantásticas, referências  mentirosas, links de matérias estranhas, vídeos obscuros, áudios de pessoas desconhecidas.

Cada um a defender não a verdade, mas informação que confirma seu próprio pensamento. Há ingenuidade? Por certo que sim. Mas há maldade também. Maldade e bots (mas  isso é outro assunto).

Outro dia soube de uma nova versão para a propagação de fake news. A fim de evitar a vergonha de uma eventual reprimenda, alguém de um grupo compartilha a maluquice que o convém e logo embaixo escreve: “Procede, pessoal?” Ora, se não sabe, pesquise. Se não pesquisou, não divulgue.

Às vezes, lembro Eu também vou reclamar, canção na qual Raul Seixas em tom de deboche manda ver: “...e todo mundo explica tudo, como a luz acende e como o avião pode voar...”

A música é de 1976, período de ditadura militar. Nem todos podiam manifestar o que pensavam. Agora, felizmente, podem. O problema é que grande parcela dos que se manifestam hoje, o faz sem pensar.

Músico vence limitações do distanciamento social oferecendo shows particulares por encomenda
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco