Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
A alma marginal

Raimundo Carrero
Membro da Academia Pernambucana de Letras

Publicado em: 04/05/2020 03:00 Atualizado em: 03/05/2020 21:55

Vem do rebelde Rimbaud a expressão – “O problema é tornar a almamonstruosa” , que usei no meu livro “Somos Pedras que se consomem” e que agora vejo como uma advertência que deveria figurar na capa do livro de estreia de Ney Anderson, “O Espetáculo da Ausência”, editora Patuá, São Paulo.

Estreante, mas obstinado e cheio de paixão, Ney sempre se revelou umdesses leitores que se tornam escritores pela força da vocação. Dedicado, não passa um minuto sem pensar em criação literária em íntimo diálogo com os seus personagens que se atiram na histórias, cães revestidos de humano para enfrentar as dificuldades da vida, os torneios de desespero e angústia.

Por isso, os personagens deste novo autor revelam-se em estado puro, não a pureza religiosa de seres que se misturam às nuvens para amar e iluminar, mas cheios desta beleza brutal de que são feitas as palavras de Rimbaud ou de um Henry Miller, por exemplo.

Henry Miller sim, porque vem dele a afirmação de que se sentia exilado em sua própria casa, assim como parecem exilados na própria alma os personagens de Ney. Também exilados nas próprias histórias, incontidos no desejo de suicidar-se, transformados em navalhas do próprio pescoço, sem freio e sem meias- palavras. Desenhando feras, dragões e assassinos em seus contos cada vez mais densos.

O leitor deste livro arme-se de paciência e humildade para percorrer as palavras, as frases, as sentenças. Sem escândalo, é verdade, sem escândalo, mas com a coragem de quem não tem medo de sangue. Pisando com o cuidado de quem escuta os próprios passos na madrugada sombria.

Aluno de muitos meses na minha Oficina de Criação Literária, Neysempre se destacou com a inquietação dos seus textos. E, ao lado disso, sempre se mostrou um crítico literário muito atento. Crítico que viria a se consagrar logo depois.

Não é por acaso que hoje escreve críticas para o Estado de São Paulo e para O Globo, sempre destinado a refletir sobre nossos escritos, debruçando-se sobre a obra de todos, com habilidade e sinceridade. Um aluno que justifica a Oficina de Criação Literária.

Irmão de George Floyd pede à população: votem!
Polícia Federal apreende drogas enviadas por encomenda
02/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
01/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco