Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial O Brasil em sintonia com o mundo

Publicado em: 25/01/2020 03:00 Atualizado em: 27/01/2020 09:04

A civilização avança e, com ela, novos paradigmas se impõem. Um deles, a preservação do planeta. Vão longe os tempos em que o desenvolvimento econômico se impunha a qualquer custo. Hoje, o respeito ao meio ambiente constitui preocupação número um de consumidores cada vez mais conscientes da importância de conciliar interesses empresariais com a saúde do clima, da água, do ar, da fauna e da flora.

Não por acaso ecologia e economia pertencem à mesma família. Ambas são formadas pelo radical eco. Em grego, oikos quer dizer casa — seja o lar, seja o mundo. A etimologia ensina que as fronteiras nacionais, fixadas por acordos políticos, perdem o sentido quando o tema tem abrangência global. Fenômenos extremos ignoram alfândegas e passaportes para circular em territórios  transnacionais.

Um ano depois de assumir a Presidência da República, Jair Bolsonaro parece ter-se dado conta da delicadeza do tema e da urgência de apresentar medidas aptas a frear o desmatamento da Amazônia. Prova é o anúncio de duas iniciativas que vão ao encontro do clamor interno e externo em defesa do maior bioma brasileiro — a criação do Conselho da Amazônia e da Força Nacional Ambiental.

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, recebeu a incumbência de organizar e coordenar o conselho. A indicação é acertada. Mourão, além de ter intimidade com a região, conhece o assunto. Em entrevista a emissora de televisão, mostrou estar consciente da envergadura da missão — coordenar as ações dos ministérios envolvidos em projetos para a proteção e o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Por seu lado, a Força Nacional Ambiental, em articulação com os estados da região, destina-se a combater o desmatamento e outros crimes ambientais. Se implementada com a seriedade e a urgência necessárias, ajudará a apagar a imagem internacional de que o governo incentiva as queimadas e o desastre ambiental. Em consequência, poderá colher lucros do enorme fluxo de capital que circula no mundo em busca de países comprometidos com o meio ambiente para, ali, investir.

O Brasil esteve ausente dos principais debates sobre o tema, que foi o ponto central do Fórum Econômico Mundial de Davos. Perdeu o protagonismo para a Colômbia e os Estados Unidos. A criação do conselho e da força nacional serviu como uma espécie de reparação. Acena com o entendimento de que zelar pelo patrimônio não significa renúncia à soberania. Significa que o país conhece a relevância do ativo que abriga, dá-lhe a importância que merece e quer colher os frutos das ações ali implementadas. Que venham os projetos.

Reino Unido exclui gigante chinesa de sua rede 5G
Estados Unidos vão realizar primeiras execuções federais em 17 anos
Ao vivo com Pedro Guimarães : Auxílio Emergencial e FGTS
Destaques de 13/07: Protesto por Miguel, partido tenta filiar mortos e corpo de atriz encontrado
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco