Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Editorial Declaração do Brics

Publicado em: 18/11/2019 03:00 Atualizado em: 19/11/2019 09:46

“As nações não têm amigos. Têm interesses.” A frase de John Foster Dulles, figura de destaque durante o período da guerra fria, vem ao encontro do documento final da cúpula do Brics. Reunidos na capital brasileira semana passada, os chefes de Estado dos cinco membros do bloco — Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul — assinaram a Declaração de Brasília.

Polarizações ficaram de fora. Imperou o pragmatismo. No texto, diferentemente do que ocorre no jogo do bicho, chama a atenção não o que está escrito, mas o que não está. Ao tratar das conjunturas regionais, o documento aborda temas relacionados à África, ao Oriente Médio e à Coreia do Norte. Mas omite a América do Sul, subcontinente sacudido por forte instabilidade política.

Esperava-se declaração em conjunto a respeito da grave situação por que passam dois vizinhos do país anfitrião — Bolívia e Venezuela. Esta amarga longa deterioração política, econômica e social que levou à emigração de 4 milhões de pessoas. Aquela vive clima de incertezas que obrigou o presidente Evo Morales a renunciar e deixa no ar alarmante ponto de interrogação.

Mas, apesar do quadro preocupante, Caracas e La Paz não mereceram nenhuma referência. O Itamaraty minimizou o fato ao alegar que o documento só mencionou assuntos de “envergadura global”. O enviado do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Xiaolong, seguiu a mesma trilha. Afirmou que a Venezuela “não está na agenda, não é tópico para a cúpula do Brics”.

O isolamento da posição brasileira no bloco não constitui surpresa. A política externa de Jair Bolsonaro condena abertamente o governo de Nicolás Maduro e se opunha ao de Evo Morales. Não por acaso o Brasil reconheceu os autoproclamados presidentes Juan Guaidó e Jeanice Áñez. Os demais parceiros do Brics apoiam Maduro. Sobretudo China e Rússia o fazem não só na retórica, mas também em atos concretos.

A ausência, pois, falou a língua diplomática. Pragmática, evitou confrontos. E reafirmou o compromisso do grupo no concerto interno e no internacional. Cinco pontos sobressaem no texto: o apoio às metas de redução das emissões de carbono fixadas pelo Acordo de Paris, a reforma das Nações Unidas, a preocupação com a corrida armamentista, a defesa de mercados abertos, o combate à corrupção no setor público.

É alvissareira a manutenção da defesa do multilateralismo, princípio que norteia o bloco desde o início de seus encontros. Em época de nacionalismos crescentes, falar em abertura soa como música executada pela Orquestra Filarmônica de Viena. Trata-se de compromisso do bloco que detém 42% da população mundial e a quarta parte do PIB do planeta. Não é pouco. 

Moradores cobram inauguração da Upinha Rio da Prata
A importância de um atendimento farmacêutico correto
Primeira Pessoa com Padre Reginaldo Veloso
Sobre Vidas: Casinha - Associação dos Amigos da Vila do Papelão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco