Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Opinião
Consequências econômicas do AI-5 e as reformas

Alexandre Rands
Economista, PhD pela Universidade de Illinois

Publicado em: 02/11/2019 03:00 Atualizado em: 02/11/2019 07:50

As últimas duas semanas, após conclusão do trâmite da reforma da Previdência no senado, o país passa por processo de definição de suas prioridades. Nesse contexto, se percebe que aquela que parecia ser a próxima reforma, a tributária, não conseguirá evoluir antes de outras, dados os impasses por consequência das violações de interesses de grupos específicos que ela provoca. O setor de serviços reagiu fortemente às propostas existentes porque ele teria aumentos elevados de tributos, enquanto outros, como a indústria, teria redução de carga tributária. A reforma administrativa e a do pacto federativo ganham força como próximas prioridades. A primeira pela sua capacidade de reduzir despesas e dar mais flexibilidade aos governos para definirem suas prioridades. A segunda por arregimentar o apoio de estados e municípios, além de tornar o país mais liberal. Entretanto, ela implicará em mais gastos públicos, como consequência das transferências aos entes federados e da redução da receita apropriada pelo Governo Federal, que não terá facilidade em reduzir seus gastos. Acomodar tal movimento em época de aperto fiscal é complicado.

Para adicionar às dificuldades inerentes a uma agenda que reduza benefícios de alguns e eleve de outros, o país ainda sofre com crises institucionais geradas fora da agenda intrinsecamente econômica, como é o caso das disputas no PSL, da ameaça de instituir um novo AI-5 ou mesmo a percepção social de que há uma boa aproximação do assassinato de Marielle com a família Presidencial. Essas crises abalam a credibilidade numa estabilidade institucional futura, dificultando as previsões de políticas econômicas a serem seguidas. Por isso, impactam negativamente no desempenho econômico; por mais que os gestores da economia atual tentem negar. Qualquer empresário investidor terá mais dúvidas quanto às tendências futuras das prioridades econômicas do país. Mais renovação tecnológica ou prioridade a exportações de bens primários? Crescimento espacialmente difuso ou concentrado em grandes centros urbanos? Mais concentração de renda ou uma nova onda de fortalecimento da classe C? Claro, que se os Bolsonaros se mantiverem como líderes efetivos das determinações no país, essas dúvidas ficam menos fortes. Entretanto, se o presidente virar uma rainha da Inglaterra e as instituições do país conseguirem frear seus rebentos, a tendência pode ser outra, se o establishment político optar por manter a população fora das ruas. Ou seja, as crises institucionais afetam sim o desempenho econômico. Elas são parcialmente responsáveis pela lenta recuperação da nossa economia.

Vale lembrar que a reforma tributária, talvez a mais importante, entre aquelas na agenda atualmente, precisará de muita liderança política para ser concluída. Com um governo cheio de problemas políticos, seu avanço no parlamento será mais difícil. Vimos essa relação gerar atrasos de agenda no Governo Temer. Certamente as crises políticas frequentes já têm papel relevante na inversão de prioridades. A continuidade na gestação de crises pode inviabilizar ou atrasar as reformas necessárias, tornando a recuperação ainda muito lenta. Melhor a família presidencial ser controlada.

Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco