Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Sobre a leitura literária na escola

Arantes Gomes do Nascimento
Escritor, articulista, professor da Educação Básica em Pernambuco e municipal em Caruaru, mestrando em Ciências da Educação e membro fundador da Academia Palmarense de Letras %u2013 APLE

Publicado em: 29/10/2019 03:00 Atualizado em: 29/10/2019 09:04

Quantas vezes nos questionamos sobre a prática efetiva da leitura literária em sala de aula? Para responder a esse questionamento apresento, mesmo que resumidamente, uma proposta para o trabalho com a leitura literária dirigida em Língua Portuguesa no Ensino Fundamental anos finais, cujo objetivo é possibilitar a formação do sujeito leitor, especialista no ato de ler.

Reconhecendo a escola como um ambiente para o desenvolvimento do gosto pela leitura, faz-se necessário que ela se encontre em primeiro plano dentro dos projetos escolares cuja ação pode resultar o sucesso escolar. Porém, vale destacar que pesquisas recentes sobre leitura do sociólogo francês François de Singly revelam que há uma dissociação entre o fato de gostar de ler e o fato de ser reconhecido como bom aluno no ambiente escolar.

Nesse sentido, é importante destacar as várias possibilidades da leitura literária dirigida em sala de aula, sendo, portanto, uma falácia epistemológica a afirmação da existência de uma forma específica de leitura literária sem promover e incentivar essa prática quotidianamente. Pois entendemos que as dificuldades de ordem cognitiva, fonológica e/ou prosódica - só para citar algumas -, apresentadas pelos estudantes, quando estão diante da leitura, podem ser (re)avaliadas e (re)direcionadas. Daí a necessidade de uma nova postura que privilegie a prática da leitura literária na escola, considerando não somente as avaliações externas como o SAEB e SAEPE, - no caso do Pernambuco, mas também oportunizar aos estudantes um contato direto com obras, escritores e os respectivos gêneros textuais que adquiriram notoriedade na arte em escrever.

Nessa perspectiva, destaco o filósofo grego Aristóteles, séc. III a.c., quando dividiu a gramática em duas partes: nome e verbo. Pois entendemos que há duas transitividades gramaticais para o processo com a leitura literária em sala de aula. Uma para o substantivo Leitura, que não deve estar desacompanhada de seu complemento nominal: o próprio ato de ler, e a outra, para o verbo Ler, o que se deve ler: um conto, poema, carta, propaganda, um manual de instruções. Pois não se lê um poema quântico de Adriano Sales da mesma maneira que um editorial de um jornal, também não se lê um romance regionalista de Juarez Carlos com os mesmos objetivos que se lê uma propaganda. Além disso, não se lê uma crônica trinca de Vimar Carvalho do mesmo jeito e com o mesmo objetivo que se lê a entrevista de um político, assim como não se lê um conto de Artur Griz com os mesmos objetivos e formas que um verbete em dicionário ou um manual de instruções. Portanto, é preciso ter práticas efetivas e concretas de leitura literária em sala de aula para apreciação do texto, arquitexto, contexto e o leitor, cuja interpretação estará ligada a um plano orientado por princípios de verossimilhança.

Nesse ponto de vista, a leitura literária dirigida corresponderia às práticas sociais de leituras associadas a um grupo de objetos: os textos literários, apresentados em livros de contos, crônicas, poesias e romances, proporcionando ao estudante um contato “privilegiado em beber na fonte” das obras dos autores. Assim o estudante estará preparado para dar conta dos aspectos específicos dos textos em determinados contextos, assumindo uma postura crítica reflexiva durante o ato.

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco