Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Opinião
Editorial Renda desigual

Publicado em: 18/10/2019 03:00 Atualizado em: 18/10/2019 08:50

Preocupa, e muito, o aumento da desigualdade no país com a impressionante elevação da concentração de renda, o que significa que a parcela de 1% mais rica da população ganhou, ano passado, 33,4 vezes mais do que os 50% mais pobres, distorção considerada perigosa pelos economistas. Assim, o Brasil faz parte do vexatório grupo das nações mais desiguais do mundo, mesmo figurando entre as 10 maiores economias do planeta. A incontestável realidade é que os ricos ficaram mais ricos e os pobres, mais pobres. A tão prometida repartição da riqueza foi, novamente, adiada.

A questão de fundo é que mesmo com o fim da recessão de 2014 e 2015, uma das piores da história, a desigualdade não está refluindo, o que era esperado pelos especialistas. Pelo contrário. De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad), a diferença entre os rendimentos dos 50% mais pobres e o 1% mais rico é recorde da série histórica, que começou em 2012.

Desde aquele ano, por exemplo, não se via resultado tão ruim do Índice de Gini (medida que avalia a concentração de renda desenvolvida pelo estatístico italiano Corrado Gini), que subiu alguns pontos na avaliação de todos os rendimentos das famílias brasileiras, como trabalho, aposentadorias, pensões, aluguéis, Bolsa-Família e outros benefícios sociais.

O Pnad mostrou que o rendimento médio do 1% mais afortunado da população é de R$ 27.744, enquanto 50% dos brasileiros recebe, em média, R$ 820. A disparidade de renda também se dá regionalmente, com o Sudeste (cerca de 40% da população) concentrando um montante de renda (R$ 143,7 bilhões) superior a todas as outras regiões do país. O Sul apresenta rendimentos superiores aos noves estados do Nordeste, mesmo tendo uma população quase 50% menor.

Claro está que um dos principais motivos para o aumento da desigualdade foi a persistente precariedade do mercado de trabalho, que conta com mais de 35 milhões de pessoas na informalidade. Os que estão no mercado informal ganham menos do que os trabalhadores com carteira assinada ou os servidores públicos, o que, também, contribuiu para o quadro levantado pela pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Outro fator é que a Previdência não é igualitária e está mais concentrada entre os mais ricos, contribuindo para o fosso social.

Existem, ainda, os fatores históricos e estruturais para explicar a persistente disparidade de rendimentos. Entre eles está a herança escravocrata, o patrimonialismo que usufrui os recursos do Estado e os empregos públicos, políticas sociais voltadas para os privilegiados e um regime tributário que penaliza os mais necessitados e beneficia os mais ricos. Diante desse cenário de distribuição de renda assustador, tudo deve ser feito para a reversão de quadro tão perverso.

Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
03/07 Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco